sexta-feira, maio 31, 2002

Ahh, esqueci "Terra na Boca", minha e do Grandjean!! Como eu fui fazer isso?? É uma das que eu mais gosto... Bom, já tô me enrolando todo, o fato é que tem muita música legal, se for lembrar. E uma coisa que eu não consigo é escolher qual é pra mim a melhor música do Quanta Planta. Não ia ter como botar isso na minha lista...
Na verdade, se for ver, a gente já tem material pra um puta primeiro disco. Não sei se tem público pra isso, já que hoje pra fazer rock tem que fazer músicas tipo Raimundos... Mas imagina, quem conhece as nossas músicas, um primeiro disco como esse:

1 - Catablues Elíptico (Grandjean/Nancy/Maurício) - Rock
2 - Coiote (Alex/Maurício) - Pop rock
3 - Visão na Estrada (Maurício) - Balada
4 - A ponte (Rodrigo) - Rock
5 - Sapo Cogumelo (Grandjean/Maurício) - Pop rock
6 - Alga (Alex/Maurício) - Balada
7 - Mutante (Grandjean/Maurício) - Rock
8 - Passarinho (Grandjean/Maurício) - Balada
9 - Resignação (Nancy) - Balada
10 - Nuvem Negra (Cição) - MPB
11 - Um dia (Nancy/Maurício) - MPB


Essas são as que eu acordei hoje achando as melhores, na ordem em que estariam em um possível disco. Daí poderia completar com mais duas ou três, com muitas opções de músicas de todo mundo, como Canta, Uou uou, aquela da Flor do Grandjean, Sabiá Morcego, algumas das várias lindas do Cição. O Rodrigo tem outras boas, precisa mostrar mais. O disco tá pronto, então, só falta ensaiar, gravar e ver se tem gente que curte mesmo esse tipo de som...
:-)
Quando você tem, numa banda, um cara como o Rodrigo fazendo "A Ponte" e Cição com "Nuvem Negra" (além do Grandjean, Nancy e Alex, compositores que a gente já conhece de longa data), acaba ficando super incentivado pra voltar a compor também.
Daí eu entendo (claro, guardadas as incomensuráveis proporções) por que diziam que o Lennon e McCartney compuham tão bem pela rivalidade entre eles. É uma coisa bem saudável. Também rolava entre os Beatles e os Beach Boys, especialmente entre o Paul e o Brian Wilson. E o Paul (segundo me disse o Alex) acha "God Only Knows" a balada mais linda já feita. Modesto...
Oba!! Acabei de conseguir compor uma música, com letra e tudo. E o melhor, achei que ficou boa! :-)
A música já tava feita (até tinha dito aqui, há alguns dias), mas a letra fiz agora.
Gostei tanto do resultado que tive que vir aqui postar. É a primeira música que consegue ter um refrão pop mesmo sendo com ritmo de baião em 7/4. Fala aí, Barba, não é brinquedo, não!! :-)

quarta-feira, maio 29, 2002

Então é feriado! Acho que vou ter emenda sem compensação, há quanto tempo não sabia o que é isso... Também, trampei doze horas hoje...
Então vou deixar vocês com isso aqui.


"A grandeza de uma profissão é talvez, antes de tudo, unir os homens; só há um luxo verdadeiro, o das relações humanas.
Trabalhando só pelos bens materiais, construímos nós mesmos nossa prisão. Encerramo-nos lá dentro, solitários, com nossa moeda cinza que não pode ser trocada por coisa alguma que valha a pena viver.
Se procuro entre minhas lembranças as que me deixaram um gosto durável, se faço o balanço das horas que valeram a pena, certamente só encontro aquelas que nenhuma fortuna do mundo me teria presenteado."


Antoine de Saint-Exupéry, em Terra dos Homens


Fácil ver por que eu gosto tanto dele, né?
Putz, até o Diretor Editorial aqui já tá dizendo "Num fala assim..."
Que coisa, héin Grandjean, você devia patentear esse negócio!
Acho que só saio daqui umas dez, com sorte...
Véspera de feriado e eu preparado pra umas boas horas extras: fechamento da Geek 22 rolando a todo vapor. Discussão de manchetes de capa, até que gosto disso...
É legal quando você se aproxima de pessoas que você conhece há um puta tempo e descobre que estava desperdiçando amigos maravilhosos.
Tô vendo hoje em dia como são nota mil o meu primo, César (aquele que eu disse que é o melhor músico da família), e a mulher dele, a Lê. A Lê é demais, além de ser linda (meu primo tem um ótimo gosto) é muuuuito gente fina. Eles me trataram muito bem em Pira e ela mandou uma carta linda pra minha mãe, falando do livro dela.
A Lê tá grávida e o filho nasce em cinco ou seis meses, acho. Tô torcendo pra que eles sejam muito felizes (acho que já são e muito), porque eles merecem.
Um dos meus maiores fardos são as constantes aftas que eu tenho na boca, fruto de acidez estomacal, baixa resistência e estresse. Quando combina isso tudo, fico com feridas enooormes.
Tô feliz porque descobri um remédio 100% pra isso, chama Gengilone, o negócio cicatriza em dois dias. Beleza, um problema a menos.
Ih, esqueci de comentar o principal do post anterior: que tinha visto quem era essa tal de Thaís e então tive a certeza de que não foi distração, era campanha pela Playboy mesmo ;-)
Graças a Deus a Tina foi eliminada! Assim fico livre do vício que ameaçava tomar conta de mim de novo! Tava muito engraçada aquela menina, ela é muuuito mala, assim como todos os outros, aliás.
E ontem vi quem é a tal da Thaís, que foi pega no flagra (a da foto aí embaixo). Ela é outra brega retardada, nem é bonita, acha que fala francês bem pra caramba, canta que é um desastre, enfim...
Ok, reconheçamos, pelo menos ela tem um corpo bonito e é morena, o que sempre é uma coisa boa, mas de resto...
Acabei de achar nos links da Lu um blog chamado God Only Knows. Fui correndo pra lá. É o nome de uma das músicas mais lindas do mundo, e a mais linda dos Beach Boys. Só que, droga, a página tava fora do ar.... Uma pena, acho que devia ser um fã dessa música, como eu.
No jogo com a Malásia, sim, dá pra dizer que o Brasil jogou mal. Na verdade, quem jogou mal foi o ataque titular, que passou o primeiro tempo sem marcar nenhum gol. Os problemas foram: Rivaldo péssimo, muitos gols perdidos e nervosismo pela falta de gols a partir dos 25 minutos. São coisas que não podem acontecer durante a Copa e que o Felipão tem que corrigir.
Ah, e demorou pra tirar o Rivaldo e botar o Denílson. Esse cara vem jogando só com o nome, na seleção, há anos.
Da série "Separados no nascimento":














ODEIO quando gente burra ri da minha cara se achando superior e inteligente... Nessas horas eu sou um cara bravo, sim, me sobe o sangue.

terça-feira, maio 28, 2002

Mas também, chega de posts chatos e sérios, né??
Pô, mandem uma piada, alguma coisa, vamos alegrar o ambiente...
Como meu blog é profundo... fico até orgulhoso :-)
Mas nada se compara ao blog do Alex. Dêem uma olhada no post de hoje, sobre a periferia, muito bom.
A gente briga, mas concordamos em muitos pontos e, no fundo, buscamos as mesmas coisas.
Escândalos de corrupção já fizeram três vítimas nestas eleições: Roseana, Serra e Garotinho. Restam Lula e Ciro (mesmo este último já tendo cometido um "pequeno erro" em sua declaração de imposto de renda.
Ainda tem o desemprego batendo em 20,4% em São Paulo, recorde histórico do Dieese, salário médio caindo 8,7%, enfim, conseqüências do fato de que o governo não conseguiu, em oito anos, conciliar estabilidade e crescimento. E ainda passou boa parte do tempo sem dar a devida atenção à questão social, só resolvendo "copiar" os programas do PT quando viu que o nível de popularidade, às vésperas da eleição, estava no chão.
Enfim, tá fácil decidir em quem votar este ano, num tá não?
Nunca achei muita graça nesses testes, mas esse aqui eu quis fazer, claro!



which beatles song are you?
this quiz was made by janel


Pô, nem acho isso, mas enfim...
Minha família é foda, depois da Lili na Veja, teve ontem a minha prima Denise atuando em O Clone. Ela ficou lá, fazendo figuração de dança do ventre. Até que apareceu bastante.
Tudo bem que ela mora no Rio e eu não vejo ela há muito tempo, mas deu orgulho mesmo assim.
O João falou no blog dele sobre o lance do FH defender a união entre homossexuais, e como isso colocou à mostra o preconceito de muitos congressistas.
Realmente, é impressionante. Essa sociedade ainda é, em sua grande parte, muuuito preconeituosa. Se a gente tirar as pessoas do nosso próprio meio, mais humanista e intelectualizado (e mesmo assim conheço gente preconceituosa por aqui também), vamos ver o que sobra.
Outro dia, vendo (claro que de passagem :-) o Programa do Ratinho, tava havendo uma discussão entre aquele idiota do Afanázio Jazadi e o Leão Lobo.
Que terrível, que cara baixo, que cara escroto e nojento!! Falando em família, em respeito, que mente pequena... E como tem gente assim...
Pena que o seu interlocutor, o Leão Lobo, não tivesse muita capacidade para desarmá-lo. Mas foi até bem na discussão.
Quando as pessoas vão ter um pouco mais que minhoca na cabeça e passar a finalmente enchergar o outro???
Enfim, que a TFP se foda, que o quarteto PPB, PFL, PTB, PL se foda e que toda a escória ultra-direitista brasileira (sim, porque aí já se vêem os traços que caracterizam a ultra-direita) se foda!!!!
Acabei de ler uma coluna do Juca Kfouri em que ele diz que não devíamos questionar o título da Copa do Brasil do Corinthians, mesmo reconhecendo os erros do juiz, assim como não se questinona o título mundial do Brasil em 1962, também beneficiado pela arbitragem.
Eu não concordo com isso meeeesmo. Acho absurdo isso no futebol: é de longe o esporte com mais erros de arbitragem, de longe o esporte em que mais os jogos são decididos por jogadas que contrariam as regras e não são punidas. A lei do impedimento, por exemplo, é simplesmente impossível de ser aplicada, a não ser que escalássemos bandeirinhas totalmente vesgos. É impossível ver a bola ser lançada e a posição do receptor ao mesmo tempo.
Muitas outras regras são confusas e totalmente subjetivas. Assim, é difícil lembrar de um campeonato em que os juízes não tenham tido peso determinante na classificação final.
Não é possível que não se faça nada pra mudar isso. Eu, por exemplo, adoro esse esporte, mas fico mesmo desanimado de acompanhar e torcer por causa dessas coisas. E conheço muitas pessoas que realmente pararam de assistir futebol por causa disso.
A Lu foi no Echo & The Bunnymen ontem... Pô, se não fosse tão caro até teria ido, por esses preços só vou em shows de bandas que eu realmente curto pra caramba.
Ah, esqueci de comentar a atuação do "minino" no "Abril Despedaçado". O carinha é muuuito bom, destrói o Rodrigo Santoro! É impressionante o muleque de uns dez anos ter uma puta noção de como atuar em momentos de drama, comédia, etc. Muito dez.

segunda-feira, maio 27, 2002

Além do filme, foi muito bom rever a Camila e a Melissa, elas são muito dez. Ruim foi o cano da Dani. Pô, você me enrolou legal nesse fim de semana... :-(
E no domingo fui finalmente assisitir a "Abril Despedaçado". Achei o filme bom, mas não muito. Achei que, comparado com os outros dois do Walter Salles, "Terra Estrangeira" e "Central do Brasil", ele foi pior realizado. Mas tem a idéia de sempre do diretor: mostrar uma situação de miséria social, caminhando pra um momento de libertação.
A gente consegue ver os problemas pelos atores (a dupla de bonitinhos tem um sotaque carioca que destoa no filme), pelo roteiro, edição, etc. Um filme brasileiro que quer concorrer ao Oscar não pode ter cenas que provocam risos da platéia por serem ridículas (vide a cena da menina que passa a tarde inteira girando na corda). E outra: usar o Vinícius de Oliveira pra figuração acabou ficando muito estranho.
Por outro lado, ele tem um ponto positivo em relação aos anteriores, naquilo que sempre me incomodava nos filmes do Walter Salles: ele mantém a densidade crítica que propõe no início até o final. Tanto em "Terra Estrangeira" quanto em "Central do Brasil" (dois filmes que eu gosto bastante, há que se registrar), o filme perde densidade gradativamente, acabando meio como um road movie banal.
Sábado também foi massa. Almocei fora com a minha mãe, depois fiquei falando no telefone. Nessas horas, me sinto como que reabastecendo minhas energias, falando bastante com pessoas que eu gosto. Depois fui pro ensaio. Era o dia de mostrar o repertório pra Tata, a empresária.
O resultado foi um ensaio excelente, mas uma apresentação pra empresária não muito satisfatória. Precisava ser mais profissa e o que contribuiu pra isso foi o fato de termos duas horas de estúdio, sendo que só tínhamos dez músicas prontas. Mas no geral ela pareceu curtir, sim, só disse que precisávamos deixar um pouco mais redonda. Tá certa, vamos em frente. Vamos ter show bacana no KVA proximamente, aguardem.

Depois do ensaio, bebi um pouco com Cição e sua turma, sempre um bando de gente muito divertida, e fui pra uma balada "bossa nova" na casa de uma amiga da Nancy, a Juliana. Muito bom, apesar do sono me diverti bastante. Rolou muito violão e cantoria.
Fábio fica me zoando aqui... diz que se a banda continuar tocando "Macho Man" e outras músicas, vai ter que mudar o nome de "Quanta Planta" pra "Quero Tronco".
Maldade... Num vamo parar de tocar não! :-)
Pra quem ainda não sabe: a Lili, minha irmã famosa, está na capa da Veja São Paulo desta semana, numa matéria sobre fotógrafos de coluna social. Ela também está com foto lá dentro e tudo, com direito a legenda dizendo: "Não tem cara feia. É só Lili Martins apontar a sua câmera para os sorrisos se abrirem...".
A Li não gostou de usarem a palavra paparazzi. É porque é uma palavra usada em sentido pejorativo, de fotógrafos que invadem a privacidade das celebridades, o que minha irmã não faz.
Muito legal, ainda não tive tempo de ler, mas tá lá em casa, vou ver hoje.
Parabéns Li!!
Garotinho passou Serra por boa margem no CNT/Sensus. Esse sim é um merdão, mas pelo menos acho que ele representa menos risco ao Lula, no segundo turno.
Olha a pesquisa completa aqui.
Minhas fontes na Globo cederam o instantâneo da Thaís do BBB sendo flagrada pelas câmeras, sem a bolinha preta de censura que foi pro ar. Agora fica a pergunta: ela tava distraída mesmo ou é só campanha pela capa da Playboy???


Foi um fim de semana muito bom, acho que tô melhor. Adorei a sexta-feira, sair eu, o Alex, o Grandjean e a Lili pra tomar chopp na Vila Madalena. Queria mesmo isso, uma balada bem light, um bom papo, botar as coisas pra fora (no bom sentido, viu Grandjean?), essas coisas.
Fomos no Piratininga, que, apesar desse nome, é uma espécie de pub inglês, com som ao vivo (um jazz muito duca).
Consegui curtir tudo, até uma mina mala que a Lili conheceu e que ficava na mesa com a gente, bêbada, falando que a gente tinha que conversar com ela.
O melhor era uma portinha que tinha do lado, em miniatura, que parecia um portal pra um mundo paralelo. Entravam e saíam por ali os tipos mais esquisitos. Juro que vi sair dali o Che Guevara e depois entrar o Santos Dumont. O Grandjean e o Alex estão aí pra não me deixar mentir...
Essa música aí ("Across de Universe") é do John Lennon somente, apesar do crédito (por acordo entre os dois, as suas músicas sairíam sempre como "Lennon/McCartney", como uma marca).
Ele fez na Índia também, e costumava dizer que a música não era dele, que ela tinha "vindo". John falava que isso acontecia com algumas das suas músicas. É engraçado, porque, com alguns gênios, isso costuma acontecer. Tom Jobim disse a mesma coisa sobre "Luiza". Tenho uma gravação dele bêbado, mostrando a música ainda sem letra pro Chico Buarque e dizendo "essa eu juro que não fui eu quem fiz" :-). Eles mesmos se surpreendem com a genialidade das próprias obras, não conseguem se conceber criadores de coisas tão lindas.

Os Beatles deixaram "Across the Universe" de fora do Álbum Branco, não gostaram das primeiras gravações, e parece que os outros não gostavam muito da música, achavam muito lenta. No filme Let it Be aparece o Paul bocejando enquanto John está tocando ela. Enfim, depois eles tiveram que dar a mão à palmatória: a música é simplesmente maravilhosa. O que eu mais gosto, além do clima de paz e calma que ela traz, é da sonoridade das palavras. Simplesmente sensacional, não é, letristas de plantão?

sexta-feira, maio 24, 2002

Ah, quero deixar vocês com isso...

Across the Universe
Lennon/McCartney (1968)

Words are flowing out like endless rain into a paper cup
They slither while they pass, they slip away across the universe
Pools of sorrow, waves of joy are drifting through my open mind
Possessing and caressing me.
Jai guru de va om
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.

Images of broken light which dance before me like a million eyes
That call me on and on across the universe,
Thoughts meander like a restless wind inside a letter box
They tumble blindly as they make their way across the universe
Jai guru de va om
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.

Sounds of laughter shades of earth are ringing through my open views
Inviting and inciting me
Limitless undying love which shines around me like a million suns
It calls me on and on across the universe
Jai guru de va om
Nothing's gonna change my world,
Nothing's gonna change my world.
Momento de relaxamento no meu trabalho. E é assim que eu quero que seja o meu fim de semana. Que toda a tensão que tá se acumulando em mim sem nenhuma razão vá embora de uma vez por todas!
Pronto, acho que agora ela vai, desgraçada.
Beijo pra todos!
Grandjean ou alguém aí sabe de pessoas que usam tatuagem com motivos geek, tipo código de barra, um pinguim, desenhos animados, símbolo da Apple, essas coisas?
É para uma matéria da revista, se souberem me avisem!
Alex anda nos devendo posts no Das Frases e comments e blogs em geral
Lembram da época dos comentários gigantes, seguidos de intensas polêmicas, por aqui? Pois é, sentimos falta disso! Volte, Alex!!
Um teste bacana pra ver o seu poder de raciocínio. Quem for fazendo, vai botando quantas acertou aqui nos comments. Eu acertei 5, portanto, 50% :-(
Teste

Vindo pro trampo, tava tocando "Jeremy" do Pearl Jam no rádio. Putz, que música animal. A melodia, a letra, a voz do Eddie Vedder, tudo é maravilhoso nela. E o clipe também, é muuuito bom, ganhou todos os prêmios da MTV.
É aquele som tipo Legião Urbana: tão bom de cantar...
Frio absurdo nessa cidade, garoa paulistana ataca com tudo... E meu nariz entope imediatamente, ê alergia desgraçada... A regra número 1 é evitar o Aturgyl a todo custo!

quinta-feira, maio 23, 2002

Todo mundo viu "Uma mente brilhante", principalmente depois do Oscar, certo? O filminho é aqueles clichês de Hollywood, mas fala de uma coisa bem interessante que é a teoria do "Equilíbrio de Nash". O João andou estudando isso por aqui e eu acompanhei. É muito louco como uma teoria matemática como essa sirva para explicar tanta coisa, em tantas áreas diferentes da nossa vida (o que era, afinal, o objetivo do John Nash).
Eu, por exemplo, tinha um monte de idéias sobre as coisas, sobre como era a maneira certa de agir, etc. De uns tempos pra cá, graças ao "Equilíbrio de Nash", vi que não adianta nada.
O lance é mudar e se adaptar, infelizmente, que é o que eu tô fazendo. Acho que mudei pra pior, aos olhos dos outros, nos últimos anos. Mas pra mim, acho que a mudança foi positiva.
Podem dizer que é uma forçação de barra ridícula, mas, cara, o que eu posso fazer se é verdade? Quando eu olho minha vida retrospectivamente, é impressionante como eu estou bem quando o Palmeiras está bem, e estou mal quando o Palmeiras está mal. Inclusive nos mesmos níveis de bem ou mal.
Enfim, isso é ridículo, eu sei, mas as duas coisas batem absolutamente em cima...
Mas não há motivo pra preocupação, eu sou quase tão auto-regenerativo quanto a Dani Freitas :-)
O Átila tá com uma enquete no Meu Barraco pra saber onde cada um pretende assistir (se pretende) aos jogos da Copa. Não deixe de votar, clique aqui!
O Palmeiras empatou ontem com o São Paulo, que orgulho, até parece time grande esse pro qual eu torço....

Falando sério, esse técnico que ganha R$ 100 mil por mês e essa diretoria têm que ter vergonha na cara do papelão que fizeram no primeiro semestre. O time tá desmontado e é um lixo total. A última vez que o Palmeiras teve um time tão ruim foi em 1991. Não tá dando pra torcer, não. O jeito é esperar a Copa, pra ver se melhora.
O Ed mandou um negócio legal pra gente. Dois mapas que mostram exatamente por onde ele passou e onde ele está agora, com o trajeto e o nome de todas as cidades. Pra galera que curti viagem, é legal dar uma olhada.
Ele passou por tanta cidade... tem até uma no Panamá que chama Boquete! Daí o Jubash já mandou aqui, "e quem nasce nessa cidade é o que boqueteiro???"
Aliás, sobre isso tem uma história muito legal na Superinteressante desse mês, depois eu conto.
Mas chega de papo furado, vão ver os mapas aí, ô pá!

América do Sul
América Central

Se não carregar de primeira, cliquem em atualizar que vai.
Hahaha
Entraram aqui procurando "sexo com animais"!
E até agora, aquela lista só rendeu uma entrada, procurando "super bucetão"!
Hahahaha
O que é isso, um novo super-herói? Quem é o retardado que digita um negócio desses no Google???

quarta-feira, maio 22, 2002

Hahaha
Agora 100% do Sonic Youth!
Puta que pariu, tô ouvindo "While My Guitar Gently Weeps" ao vivo com George Harrison e Eric Clapton e alguém faz a introdução no piano EXATAMENTE como no original, copiando até a sobra do reverb em duas notinhas merrecas!
Caraca...
Como diz o Leif, tô puro ódio :-)
YEEEEESSSS!!!!!
Nada melhor que ouvir "Anarchy in the UK" no último volume num momento como esse!!!
Uhúuu!!
Teve gente achando catastrófica a atuação do Brasil contra a Catalunha. Putz, exageram demais. O Brasil ganhou de 3 a 1 na casa deles, jogando em um estádio lotado e exaltado, contra jogadores que, se não são de seleções de primeira linha, são todos dos melhores clubes do mundo, como o Barcelona e o Real Madrid. E os caras jogam com muita garra, porque querem ser reconhecidos pela Fifa.
No mesmo dia, a favorita para a Copa, França, perdia em casa para a Bélgica, que também não é nenhuma seleção de ponta. Outra super-favorita, a Argentina só colecionou maus resultados este ano, até com seleções fracas. Quer dizer, sim, o Brasil não tem uma puta geração de craques nem está bem preparado, mas não dá pra ser tão catastrófico assim.
Já passou, e não volta mais, o tempo em que podíamos ganhar de cinco de qualquer time.
Tem pessoas que, só por existirem, deixam você mais otimista e confiante na espécie humana. Mas tem outras que fazem exatamente o contrário.
Essa aí não merecia nem um post, portanto vou parando por aqui.

terça-feira, maio 21, 2002

Muito boa a matéria sobre torcidas de futebol que está na Superinteressante. Foi escrita por Rodrigo Vergara.
Ele escreve muito bem e explica legal as emoções que acontecem em um estádio, essa sim uma coisa sobre a qual eu gostaria muito de fazer uma tese (se tivesse competência pra isso). Só quem esteve lá, na massa de um Morumbi lotado, numa final de campeonato, pode saber a loucura que é o negócio. Algo realmente pra ser pensado e entendido, até porque são essas mesmas emoções, exacerbadas, que acabam resultando no vandalismo das torcidas organizadas.
Outra coisa esquisita que eu fiz no sábado, além de entrar na igreja de bolsinha, foi dançar forró. Acho que ninguém que visita este site jamais me viu dançar essas coisas. Mas na festa do casamento, animado por uma saudável mistura de batida de maracujá com leite moça, cerveja e vinho branco ultra doce, resolvi me atirar.
Primeiro com a minha mãe, porque não há nada mais seguro pra quem não sabe dançar do que dançar com a própria mãe. Depois, já aquecido e treinado no dois pra lá, dois pra cá, acabei valsando com uma prima do meu primo que tem de linda o que tem de arrogante. Daí já não estava tão à vontade assim :-)
No fim, o resultado não foi tão terrível não, pra quem nunca pratica. Mas que é chato é, dançar só sabendo fazer um passo...
Até agora não entendi porque o Rafael Vanucci ganhou a Casa dos Artistas. Também, não tô nem um pouco preocupado com isso...
putz, caíram de novo os sites do blogspot, que merda...
Esqueci de comentar a coincidência dos picaretas da Renascer em duas revistas semanais. A reportagem da Época está boa, mas eles deviam ter esperado o tal apótolo falar (parece que ele tinha prometido dar declaração esta semana). Assim, a matéria teria os dois lados e teria mais credibilidade. Dificilmente o pateta poderia explicar alguma coisa.
Agora, no caso da Isto é Gente, tava querendo falar com o Grandjean sobre isso. Foi muita coincidência, na mesma semana da Época, adulando a Renascer na capa. Me deu a seguinte impressão: que os patifes souberam que a Época ia bater forte (com certeza estavam sabendo, já que foram até contatados) e trataram de arrumar a capa de uma outra revista pra diminuir um pouco as perdas. E a Isto É, que tem uma equipe de reportagem muito boa, mas um patrão com conduta ética um tanto suspeita, foi a escolhida. Acho que foi capa comprada. Depois quero saber mais a respeito...
Pronto, já publiquei o Quadum e o Povo Planta de novo, já estão no ar
Galera que hospeda no Blogspot, acho que deu pau geral! Entrem no site do Blogger e publiquem de novo (clicar em Publish), porque tá tudo fora do ar...

segunda-feira, maio 20, 2002

Na seção letra dos Beatles comentada de hoje, temos aqui uma música linda, linda, chamada "Dear Prudence". Ela fez muito sucesso com o Sioux and the Banshees, na década de 80, mas eu ainda prefiro a versão original.
Os Beatles estavam na Índia, em 1968, estudando meditação no acampamento do seu guru, Maharishi Yogi. Uma mulher chamada Prudence havia desenvolvido uma espécie de pânico e obssessão: não conseguia sair de dentro do seu quarto e ficava o dia todo meditando. Todos tentaram tirá-la de lá, incluindo o guru, mas não tiveram sucesso.
Resolveram, enfim, pedir para o John Lennon tentar alguma coisa. Ele sentou e compôs essa música. Foram todos para a frente do quarto e tocaram com um violão. Depois de algum tempo, tocando como um mantra, ela saiu do quarto, para alegria geral.
A música foi então gravada no Álbum Branco, e é uma gravação linda. Paul toca baixo e bateria (já que Ringo estava de férias) e toca muito bem por sinal. O arranjo de guitarra e bateria, no final, é maravilhoso.
Enfim, nada mais a dizer...

Dear Prudence
Lennon/McCartney (1968)

Dear Prudence, won't you come out to play
Dear Prudence, greet the brand new day
The sun is up, the sky is blue
It's beautiful and so are you
Dear Prudence won't you come out and play

Dear Prudence open up your eyes
Dear Prudence see the sunny skies
The wind is low the birds will sing
That you are part of everything
Dear Prudence won't you open up your eyes?

Look around round
Look around round round
Look around

Dear Prudence let me see you smile
Dear Prudence like a little child
The clouds will be a daisy chain
So let me see you smile again
Dear Prudence won't you let me see you smile?
Vocês acreditam que deletaram a conta do Grandjean do Multimania por "conduta imprópria"??
Mas ele não fez nada, será que é por causa da foto da Leka, tirada da Playboy?? Ou mulher pelada? Tipo, se for isso, me pegam tb...
Que merda! Escreve pros caras xiando, Grandjean!
Como a Veja é fraquinha...

Acho que ninguém vai ter paciência pra ler, mesmo, mas aí vai, é bom extravasar a minha indignação.
A Veja está mais engajada na campanha presidencial que muito político por aí. Essa última edição prova que ela é mesmo o maior cabo eleitoral do Serra, disparado.
Acho que, até aí, tudo bem, afinal não existe jornalismo imparcial mesmo. O problema é mais quando ela dá matérias apoiando aventureiros ladrões como o Collor e a Roseana.
Mas o exagero no apoio ao Serra acaba resultando em matérias muito fracas como essa, patéticas para uma revista que tem a maior tiragem do Brasil. Vejamos alguns trechos:

"No campo das denúncias, Lula, pessoalmente, não é um terreno fértil. Disputando sua quarta eleição presidencial, a maioria do eleitorado está convencida de que é um político honesto e decente. Mas, no campo das definições econômicas, o candidato é de uma vulnerabilidade ímpar. Seu grande desafio será provar que toda a mudança de discurso - habilidosamente trabalhada nos programas concebidos pelo publicitário Duda Mendonça - não é mera maquiagem eleitoral. Em sua história, o PT sempre exibiu comportamento ambíguo. Antes, sua ambigüidade se dava no terreno ideológico. O que era o PT? Bem, não era comunista, nem socialista, nem social-democrata, embora fosse um pouquinho de tudo isso ao mesmo tempo - mas nem os petistas sabiam direito, divididos que estavam numa colorida algaravia de correntes ideológicas distintas. Desde a queda do Muro de Berlim, em 1989, as discussões ideológicas perderam o viço, a multiplicidade de correntes internas no PT reduziu-se e, simultaneamente, tornou-se mais evidente a ambigüidade do partido em matéria de política econômica. Nesse campo, as idéias do petismo e de Lula continuam com a esplêndida nitidez de uma nebulosa."

Primeiro: esse trecho associa a mudança do discurso do PT ao Duda Mendonça. Só que o PT vem mudando o discurso de forma gradual há muito tempo, sendo coerente com as mudanças que aconteceram nas últimas décadas na política mundial. Onde esteve esse jornalista, nessa época, que não viu isso? E outra: a crítica de que as propostas de política econômica do PT são ambíguas, que permeia toda a matéria, consegue ser ainda mais nebulosas do que qualquer declaração do PT. Como nesse trecho:

"Há um conflito entre o que Lula e líderes do PT andam dizendo e aquilo que foi estabelecido em documentos oficiais e recentes do partido. Além disso, quase toda afirmação do PT sobre temas econômicos é seguida de uma ressalva. O partido é adepto da disciplina orçamentária, desde que isso não implique cortar gastos sociais. As duas posições são excludentes. Ou é uma ou é a outra. O PT também declara que manterá os contratos assumidos por governos anteriores, mas afirma ao mesmo tempo que negociará com os credores externos novas condições de pagamento. É impossível respeitar o contrato e exigir sua renegociação ao mesmo tempo. É esse tipo de postura dúbia que deixa os agentes econômicos confusos e nervosos. Não se sabe bem o que pretende fazer o PT, se é que o próprio partido sabe."

Esse redator tá enfrentando problemas de lógica... Os conflitos que ele quer de qualquer forma encontrar não existem, nesse trecho. O PT diz que vai ter disciplina orçamentária (algo que está acima de qualquer dúvida, observando as administrações do partido em estados e municípios), mas que entre todas as áreas, a do social é a prioritária e portanto não receberá cortes. Há contradição nisso? É algo digno de crítica, ainda mais em um país tão desigual como o nosso?? É algo não factível?? Ainda prefiro acreditar que é factível, sim. Quando achar que não, entregarei os pontos.
Quanto à segunda afirmação, é impossível respeitar contratos tentando renegociá-los? Claro que não. E a última frase do trecho, baseada em tais argumentos, resume bem a fraqueza da matéria e o seu compromisso em tirar conclusões contra o Lula.

"A experiência em Estados e municípios não qualifica automaticamente os quadros do partido para operar as finanças do país. (...) Segundo ele (Maílson da Nóbrega), decisões sobre assuntos delicados, como o estabelecimento da taxa de juros, são escolhas solitárias e técnicas que não admitem consultas às bases e outras práticas assembleístas utilizadas pelo Partido dos Trabalhadores."

É má vontade, mesmo. O PT faz um bom trabalho em estados e municípios e merece ser elogiado por isso, mas a Veja prefere dizer que isso não o gabarita para a presidência. Enfim, por essa ótica, só os mesmos de sempre, só os velhos políticos do PMDB, PFL, PSDB, etc. é que podem ser eleitos. Nunca ninguém novo.
Quanto ao comentário do Maílson, ele é simplesmente nojento. Taí mais uma demonstração clara do preconceito chulé anti-PT que a nossa querida revista Veja traz para as bancas.
Agora vejam esse quadro:

"O presidenciável petista demonstrou um grande poder de adaptação. A cada campanha, ele se apresentou com um discurso modificado. Confira as mudanças de Lula em quatro momentos importantes de sua vida política.
1989 - Radical: em sua primeira eleição, Lula fazia a defesa de causas, porém não apresentava um projeto de governo
1994 - Cético: o PT criticava o Plano Real, e Lula demorou a entender todos os seus efeitos
1998 - Contrariado: antes de entrar na eleição, Lula disse várias vezes que não tinha motivação para disputar
2002 - Sentimental: o publicitário Duda Mendonça mostra um programa de TV em que Lula aparece chorando"

Esse texto está tão fraco que me recuso a comentar. Tá simplesmente um lixo, em termos de conteúdo. Poderiam citar as mudanças de discurso do Lula com o decorrer dos anos de uma forma muito mais interessante. Lembrando que estamos falando de uma campanha para Presidente da República e da maior revista do Brasil em circulação.
Pior que isso, só o final da matéria, que fala sobre a correção do desvio no canino esquerdo do Lula.
Quer dizer, além de tendenciosos ao extremo, são fracos mesmo, pra valer.
Enfim, isso foi o que eu achei, lendo a matéria. Agora tirem vocês suas próprias conclusões.
Droga, tanto tempo sem usar gravata fiz um nó bem meia boca... ficou pequeno, fiz correndo. Mas até que eu tava bem, desde que eu fechasse o paletó.
Quanto ao show de sábado, eu achei divertido. Claro, não é o tipo de show dos meus sonhos, mas é gostoso tocar sempre, principalmente quando se está a meses sem se apresentar.
Agora, é foda mesmo, público pequeno, cara pedindo pra parar a música no meio porque não pode tocar cover, nenhum retorno de guitarra, etc.
Mas até que o som tava bom, curti. Ainda demos sorte, um segundo depois que acabou o nosso show, caiu o maior pé d'água. E a Lu chegou no final e conseguiu assistir a duas músicas. Enfim, gostei. Daqui pra frente, se tudo der certo, teremos shows melhores pela frente.
Aliás, uma coisa legal no casamento, que não teve boiolagem, foi uma hora em que a minha prima Lu teve a idéia de a gente fazer uma homenagem, só dos primos, para a Adriana, a noiva. A família é quase toda de gente que trabalha com texto e produção, então foi legal. Nos juntamos todos e fizemos um trabalho que incluía escolha da música, levantamento de informações sobre os noivos, escrever o texto e bolar uma mini-performance.
Deu tudo certo, rapdinho estávamos com o texto na mão, basicamente escrito por mim e pela Lili, cheio de coisas sobre a vida dos noivos. Foi bacana e eles gostaram bastante, depois tiramos uma foto só dos primos com os recém-casados. Quero essa foto...
Na igreja, de bolsinha
Pois é gente, o que eu temia aconteceu. Fui para o casamento, no sábado, logo após o show, confiante em que, desta vez, chegaria na igreja sem nenhum apetrecho do vestuário feminino. Mas não deu. Acabei chegando ao local com terno, gravata e uma delicada bolsinha...
O problema foi que, quando ia sair (depois de chegar do show e tendo que tomar banho e me vestir em tempo recorde) minha irmã me liga pedindo para eu levar a bolsa que a minha prima havia esquecido.
Mas a esperança ainda não acabou, ainda vou a um casamento vestido de homem!

sexta-feira, maio 17, 2002

Tô indo nessa, galera! Quem quiser ir no show, vamo lá, não vai ser um puuuta show, mas é sempre bacana a presença.
Repito aqui o endereço e horário:

Casa de Cultura de Santo Amaro
Av. João Dias, altura do número 820, perto do Mac Donalds
Fica na praça Francisco Ferreira Lopes
O show é às 18h e dura 40 minutos, mais ou menos.

Beijos a todos!
E gente, nasceu o filho do Rafael, nosso diretor de arte! Sei que ele não entra aqui muito, mas queria registrar os meus parabéns pra ele, deve ser massa ser pai. Ainda não sei se quero um dia ser, mas com certeza deve ser uma grande emoção ver o pimpolho nascer :-)
O Fábio tá ralando pra caramba pra cobrir ele, mas segunda ele tá de volta.
Tudo de bom pro Rafael e pra sua famíllia, que em pouco tempo já tá tão grande!
E fazendo autocrítica, acho que tenho sido muito cricri nos últimos dias. Vou tentar me controlar. E devo desculpas ao Alex: tudo bem, claro, você ser desse jeito, categórico, "bom ou ruim"... Mas quanto a isso eu sou diferente mesmo, e gosto de ver as coisas boas até onde aparentemente só tem merda, como na Casa dos Artistas.
Bom, Alex, é verdade que são as mesmas idéias, mas tá longe de ser transcrição quase literal. O poema que circulou na Net como sendo do Borges vai logo abaixo. A letra da música dos Titãs é do Sérgio Brito. Ou seja, a música é mesmo dos Titãs.

INSTANTES

"Se eu pudesse novamente viver a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito,
relaxaria mais, seria mais tolo do que tenho sido.

Na verdade, bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico. Correria mais riscos,
viajaria mais, contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a mais lugares onde nunca fui,
tomaria mais sorvetes e menos lentilha,
teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.

Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata
e profundamente cada minuto de sua vida;
claro que tive momentos de alegria.
Mas se eu pudesse voltar a viver trataria somente
de ter bons momentos.

Porque se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos;
não percam o agora.
Eu era um daqueles que nunca ia
a parte alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas e,
se voltasse a viver, viajaria mais leve.

Se eu pudesse voltar a viver,
começaria a andar descalço no começo da primavera
e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua,
contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, já viram, tenho 85 anos e estou morrendo..."
Pra desespero da Lili :-)

Epitáfio
Titãs


Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer
Queria ter aceitado as pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor
Queria ter aceitado a vida como ela é
A cada um cabe alegrias e a tristeza que vier

É isso, não doeu, né? :-)
Adoro esses últimos dois versos. Mas a música é meio capenga, mesmo.
Ihh, gente que coisa chata esse negócio de ficarem achando absurdo eu falar da Casa dos Artistas... já tão parecendo o Alex: "isso é ruim, isso é bom, ponto final".
Eu acho que vc pode tirar boas conclusões e aprender muito a partir de quase qualquer coisa, dependendo do jeito que vc a vê. Não acho que estou fazendo nada de mal a mim por perder uns quinze minutos, depois que volto da academia, vendo esse programa.
E outra, na vida, pode haver sim (e acho que até deve haver) espaço pra diversão despreocupada e banal. Pra quem não acredita nisso, indico um bom site: www.marioav.com.

quinta-feira, maio 16, 2002

Em primeira mão, do nosso jornalista photoshopeiro de plantão, o Grandjean, o que fizeram com a Leka na Playboy, sacanagem... Meteram a faca!! Confiram no Quadum.
Droga, por causa dessa gripe já era a minha natação de hoje...

Alex, tem uma música que eu acho que você vai gostar. É a nova dos Titãs, que até toca na novela. Eu pessoalmente não gosto muito não, só de uma coisa ou outra, mas é bem o estilo que você curte em música popular. Um jeito simples de dizer coisas bacanas.
Tenta ouvir aí!
XANINHA

Essa matou a pau!

Já que esse blog perdeu sua inclinação familiar...


Estou absolutamente, totalmente resfriado, não vejo a hora de ir embora... Ai, ai...
É difícil essa vida de palmeirense anti-corintiano... Faz tempo que os caras só ganham, quando não por competência, por sorte ou erros de arbitragem.
A última vez que eu me lembro de ficar muuuito feliz com futebol foi depois de tirar o Corinthians da Libertadores nos pênaltis pela segunda vez seguida, com um time muito pior que o deles, em 2000. Nesse dia eu tava tão feliz que eu nem conseguia dormir, e ainda fui pra cama ainda com a camisa do Palmeiras :-)
De lá pra cá, quase não teve nada de bom. Mas enfim, futebol tem mesmo muitos altos e baixos, logo, logo a maré muda.
Gente, não deixem de ver os maravilhosos Alex di Caprio e Alex Belfort! Eles estão lá no Povo Planta, sensacional!!
O João colocou no site dele fotos bacanas de flagrantes esportivos, uma mais engraçada que a outra, e tudo parece que sem montagem. Elas vivem rodando na Net, eu até já conhecia, mas é legal de publicar. Peguei duas, claro que as que mais me interessavam. O resto vocês podem ver lá.
Aliás, Grandjean, me diga, o que você acha, montagem essa da Anna Kournikova? É porque o vestido dela é tão justo em cima, fiquei pensando que teria sido impossível o peito sair, por mais que ela pulasse pra lá e pra cá. Responde aí, especialista!!




Às vezes a gente (pelo menos eu) tende a achar que letras bonitas, só em português, só na MPB, raro em inglês, ainda mais raro em bandas de rock.
Daí ontem rolou uma daquelas coincidências. No almoço, estava tocando Red Hot e o meu editor comentou que o Anthony Kieds (o vocalista) havia morado muito tempo na rua, doidão, sozinho. Eu logo pensei "então isso deve ter a ver com aquela música bacana dele, 'Under The Bridge'".
Voltando de carro pra casa, começou a tocar exatamente essa música (que é de 94, mais ou menos) no rádio. Prestei atenção na letra e achei linda mesmo. Adoro letras que dizem o coisas bem pessoais, não aquela coisa generalista, escrita com o objetivo de pegar o senso comum. Nota dez.
Bom, então aí vai a letra dessa música maravilhosa.


Under The Bridge
Red Hot Chili Peppers

Sometimes I feel
Like I don't have a partner
Sometimes I feel
Like my only friend
Is the city I live in
The city of angels
Lonely as I am
Together we cry

I drive on her streets
'Cause she's my companion
I walk through her hills
'Cause she knows who I am
She sees my good deeds
And she kisses me windy
I never worry
Now that is a lie

I don't ever want to feel
Like I did that day
Take me to the place I love
Take me all the way

It's hard to believe
That there's nobody out there
It's hard to believe
That I'm all alone
At least I have her love
The city she loves me
Lonely as I am
Together we cry

Under the bridge downtown
Is where I drew some blood
Under the bridge downtown
I could not get enough
Under the bridge downtown
Forgot about my love
Under the bridge downtown
I gave my life away
Peço licença pra vocês, não me levem a mal. Mas estou curioso. Quero saber até que ponto a inclusão de um monte de palavrão bem escroto faz aumentar mesmo os hits de um blog. Então vou meter (ops...) aqui um texto que eu copiei do blog da Du.
Vejam bem, é um estudo puramente científico :-). Lá vai.

Bunda peito peituda mulher menina ninfeta dar comer trepar sexo transar cu pinto grande murcho duro comprido grosso buceta virgem vagabunda rabo mocinha homem anal oral meia nove bronha punheta masturbação siririca vibrador cabo de vassoura puta lolita, teen, pau, boy, lolito, fetiche, pé, tesão.

Tá meio fraco isso aí, podia ter mais. Bom, é isso, depois conto o resultado procêis.

quarta-feira, maio 15, 2002

Uma coisa que eu aprendi acompanhando política (e que acho que deve ser mais que óbvia pra maioria que entra aqui) é que é impossível dar qualidades como "honesta" a pessoas que a gente nunca viu cara a cara, pessoas com quem nunca trocamos uma palavra sequer.
Isso é uma coisa que eu não faço meesmo. Já me decepcionei muitas vezes caindo nessa. Hoje em dia, quando eu voto, é observando o que cada um fez, quando pôde fazer algo. Não tem candidato perfeito, nem perto disso. Mas eu acho que ainda é possível achar algo melhor que o que está aí.
Por falar em Bohemian Rapsody, quando cheguei em Santos na sexta estava passando um vídeo com essa música ao vivo. Putz... a noite podia ter acabado ali mesmo, foi muito bom ver aquilo.
Atendendo a pedidos do Alex, republico a minha lista de favoritos, para comparação com a dele que está no Das Frases. Acrescento Livro, e banda nacional, que ele também botou, mas não coloco pintor (porque tô fraco na área) e mulheres, porque sou mais discreto que ele :-). Mas podem acreditar que não rola a Feiticeira na parada!

Livro - Dom Casmurro (Machado de Assis)
Música - Bohemian Rapsody (Queen)
Música brasileira - Travessia (Milton Nascimento)
Melhor coisa que já entrou pelos meus ouvidos - versão de Milton Nascimento para a música Cálice, de Chico Buarque e Gilberto Gil, no show do disco Txai
Melhor letra - Cálice, de Chico Buarque e Gilberto Gil
Compositor (música) - Na ordem, Beethoven, Tom Jobim, Milton Nascimento
Compositor (letra) - Na ordem, Chico Buarque, Raul Seixas, Renato Russo
Disco - Sargeant Peppers Lonely Hearts Club Band (Beatles). Menção para Pet Sounds (Beach Boys) e The Wall (Pink Floyd)
Cantor - Milton Nascimento
Cantora - Elis Regina
Banda - Beatles
Banda Nacional - Legião Urbana. Menção para Mutantes, Ira!, Secos e Molhados e Quanta Planta :-)
Show - Tambores de Minas (Milton Nascimento, 1998)
Melhor trecho musical - Primeiros quinze minutos do quarto movimento da 9ª Sinfonia de Beethoven
Baterista - John Bonham (Led Zeppelin)
Guitarrista - Jimi Hendrix
Violonista - Raphael Rabello
Baixista - Paul McCartney
Filme - "A Missão" (1986, com Jeremy Irons e Robert de Niro. Música maravilhosa). Depois vem, na ordem, "2001" e "Sociedade dos Poetas Mortos"
Diretor - Stanley Kubrick
Ator - Jack Nicholson
Atriz - Vivien Leigh
Música minha que eu mais gosto - Visão na estrada
Melhor show que eu já fiz - Na Faculdade de Física da USP, em 2000
Viagem - Virada de 1996 para 1997, em São Thomé: eu, Alex, Nancy, Grandjean e Djá
Ainda não posso dizer nada quanto à LER, mas a acupuntura é realmente uma coisa que deixa a gente mais calmo e equilibrado, isso eu posso garantir. Tava meio mal há umas semanas, mas fui melhorando meio que sozinho, tô me sentindo bem mais forte e desencanado. Bom, mas agora quero mesmo é melhorar da LER, toamara que dê certo.
Porra, de onde eu tirei 55 fotos no Povo Planta?? E ninguém me corrigiu... Na verdade, são 27 agora, quem quiser pode mandar coisas legais que nóis publica!!
Escaneia as fotos aí, galera!
E graças a Deus fui forte e não assisti ao primeiro capítulo do BBB2. Não posso ficar viciando nessas coisas, senão perco a minha noite. E adoro usar a noite pra fazer muitas coisas diferentes e mais úteis, como fazer exercícios, ouvir música, ler, assistir a jogos de futebol, falar no telefone (principalmente isso :-).
Essa campanha tá uma beleza, até agora. Mais falcatruas envolvendo favorecimentos de Serra à sua família, novas pesquisas com o Lula subindo.
Vejamos: Datafolha dá Lula 43 e Serra 17, Vox Populi dá Lula 42, Serra 17, quase o mesmo resultado. Curiosa essa Toledo e Associados, no fim de semana deu Lula 37, Serra 22. Diferenças bem acima das "margens de erro". Ou é um instituto totalmente incompetente ou foi pesquisa comprada, não restam mais opções.
O bacana foi que o Lula subiu 11 pontos em um mês no Datafolha!! E, ao contrário da milagrosa subida do Serra no Ibope, recentemente, essa é bem compreensível. Principalmente pelo crescimento da campanha do PT, embalado pelos excelentes anúncios de TV do Duda Mendonça, e as recentes acusações contra Serra.
Bom, tá tudo muito bem, o problema é a Copa, que tá chegando e é um prato cheio pra manipulação popular. Que medo de se repetir 98...

terça-feira, maio 14, 2002

Botei cinco fotos novas no Álbum do Povo Planta, agora já tem 55! Não deixem de ver, tá bem legal o nosso álbum!!
E aos poucos a gente vai botando as que a Nancy tem em casa, são milhares, muito legais!
Galera, tem show do Quanta Planta no sábado!!
Não é um puta show, mas quem quiser ir está convidado, é o primeiro da nova fase da banda!
Começa às 18h e deve durar 40 minutos
Endereço:
Av. João Dias, altura do número 820, perto do Mac Donalds (é em Santo Amaro, bem antes dessa avenida cruzar o Rio Pinheiros). Fica na praça Francisco Ferreira Lopes.
E depois, corre o Maurício botar terno pro casamento! :-)
E não deixem de ver as fotos do novo blog Povo Planta. Tem umas que eu nem lembro de ter tirado. Já são 23 fotos, legal pra quem ainda não conhece toda a galera. Tem o Alex, Nancy, Grandjean, Carlão, DaniDani, Priscila e até a sombra do Rodrigo!
E olha só quem mais esteve lá em Santos... Sim, os quatro rapazes, atravessando a Abbey Road, quer dizer, o Canal 5. Pra quem não sabe, o Canal 5, lá em Santos, é uma avenida e também o primeiro rio sólido do mundo, de tanta sujeira. Deixa o Tietê no chinelo.


O Alex entra no meu site trocentas vezes por dia, mas quase nunca deixa comentário... Agora só tem olhos pro seu Das Frases...
Ah, esqueci de contar, só no casório de Pira, mesmo... O noivo entrou na Igreja ao som de "Great gig in the sky"!! Imagina, que louco? E a mulher cantou muito bem, o que é difícil pra caramba.
Sábado tem outro casamento, mas dessa vez o tom é um pouco diferente. A noiva vai entrar com aquela música do Clone, "Somente por amor...". Putz, vai ser foda... E outra, dessa vez vou ter que botar terno e gravata, odeio isso!
Três pérolas que eu tive a honra de presenciar na Casa dos Artistas, na última semana:
- Essa maquiagem é uma coisa meio indiana, bem indígena (Tiazinha)
- Mãe, queria que você estivesse aqui com nóis. (Rafael Vanucci, lendo a carta que escreveu para a mãe)
- Espero que estêjamos indo bem (Gustavo, tentando escrever uma carta tão boa quanto a do Rafa)

Mas, tirando a burrice, acho que esse programa acabou sendo interessante, bem melhor que o BBB e o Casa1. As pessoas têm algo a mostrar, algum talento e criatividade, mas, acima de tudo, um puta companheirismo e simplicidade. Deu gosto de ver como eram unidos, principalmente a Feiticeira, Tiazinha, André, Ellen Roche, Gustavo, enfim, justamente os que ficaram mais tempo. E não ficavam o tempo todo falando de malhação e corpo, como era de se esperar.
Taí, gostei dessa galera.
Born a poor young country boy - Mother Nature's son
All day long I'm sitting singing songs for everyone

Sit beside a mountain stream - see her waters rise
Listen to the pretty sound of music as she flies

Find me in my field of grass - Mother Nature's son
Swaying daises sing a lazy song beneath the sun

segunda-feira, maio 13, 2002

E quanto ao lance do Rubinho, ontem, estive pensando. Acho que ele fez algo muito importante, e, quem diria, pode acabar mudando muita coisa na F1.
Ele podia ter seguido a orientação de cara, três voltas antes do final, ou se rebelar contra a equipe e vencer a corrida. Mas nenhuma dessas atitudes causaria a comoção que o que ele fez causou. Praticamente parou na linha de chegada. Isso causou a perplexão de narradores do mundo todo. No Brasil, Cléber Machado gritava, "não, dessa vez, não!". Foi impressionante. E a pressão é grande pra que alguma coisa mude na F1, porque desse jeito, corre o risco de ganhar do futebol brasileiro como a categoria esportiva mais fajuta do mundo.
Rubinho esperto, conseguiu o que queria, sem se indispor com a equipe.
E que bela corrida ele fez, o pé-de-chinelo... :-)
Imagens impressionantes de um grupo de sujeitos mal-encarados que passou por Santos no último fim de semana...

Primeiro, eles começaram, sem nenhuma razão aparente, a imitar cangurus



Depois, começaram a zoar pobres mendigos que dormiam nos piers



Por fim, a foto revelando a identidade do líder deles, que está foragido. Dizem tê-lo visto junto a aborígenes, tocando didiridju, na Austrália. Ah, isso deve ter alguma coisa com os cangurus...


Agora a festa. Foi muuuuito legal. Minha família é lotada de músicos e, depois do profissional contratado pra animar a noite, foi a hora da jam session. Começou com o meu primo César, de longe o melhor músico da família, um guitarrista de mão cheia. Dá gosto vê-lo tocar.
Depois, ele ia chamando a primaiada pra dar um som. O próprio noivo tocou batera, e muito.
Por fim, fui chamado pra dar uma canja. Toquei "Comfortably numb" (primeira vez que toco essa música na bateria), "Mais uma dose" e "Money for Nothing". Foi tudo no improviso, muito legal. É foda, porque eles olham pra trás e falam "Money for Nothing, vai, começa!" e daí tem que lembrar rápido como começa a música :-)
No final, tem que inventar um fim na hora, todo mundo se olha e "pá", acaba a música. É muito dez...
Bom, toquei mal pra caramba, mas deu pra brincar. Quando o César subiu pra fazer o Dire Straits, fiquei mais sossegado e consegui fazer umas coisas mais bacanas, até meio jazz.
Enfim, foi uma delícia. No dia seguinte, depois do café da manhã, rolou uma jam violão e guitarra com o César incluindo "Super-Homem", do Gil. Também foi ducaralho.
Nessas horas eu penso: porque eu vou só de dois em dois anos pra Pira??

Sim, porque eu gosto de lá. Acho que é o lugar que mais me traz recordações da infância. Cada lugar em que eu entro sempre faz a minha cabeça ser inundada de recordações, velhas e recentes. É um lugar estranho. Alguma coisa faz eu não me setir muito bem lá, mas ao mesmo tempo tem uma outra força, que faz eu ter um carinho imenso por aquilo.
É como quando eu era pequeno e fazia essa viagem. Era muito bom o colo da minha avó, mas estranha a relação com meus primos. E acho que essa sensação contraditória ficou marcada, até hoje.
Na igreja, de salto alto
No sábado fui pro casamento em Pira, e, adivinhem: fui pro casório de salto alto!!
Isso mesmo, com sapato de mulher! :-)
Estava na casa do meu primo, super atrasado pra ir pra igreja quando descobri que tinha esquecido o meu sapato. Típico do Maurício, ia passar um dia na cidade, só pro casamento, e esqueci o sapato. Meus primos, que estavam na casa, calçam 45, ou seja, sem chance de me emprestarem nada. Resultado, tive que pegar um bota (!!) da mulher do meu primo, com um puta salto quadrado atrás!!!
Foi patético... Minha mãe dizia pra eu não dar as costas pra ninguém, pra não verem o salto :-)
Assim que eu encontrei meu pai, pedi pra ele um outro sapato e nós fomos buscar. Estava sujo, mas melhor que salto alto!
Fui pra festa e contei pra todo mundo. A reação geral foi: "Que merda, por que eu não olhei pra baixo!!". Ficaram decepcionados por terem perdido a oportunidade de me zoar. :-)

Bom, mas eu tô acostumado em dar gafe em Pira. Dessa vez, além do sapato, chamei meu primo de "tio". É foda ter cerca de 70 primos e ficar dois anos sem vê-los. Eu troco nome, falo merda, é foda...
A reação dele: "Pô, sou seu primo! O cara pensa, 'esse é velho, vou chamar de tio por via das dúvidas...". Ficou bem chato...

Próximo capítulo: a festa propriamente dita.
Nossa, muita coisa pra contar e muita coisa pra fazer aqui!!
Mas vou por partes, começando por sexta. O HH foi muito foda!! Acabamos decidindo ir pra Santos, em cima da hora.
Foi minha primeira vez naquela cidade e a gente se divertiu pra caramba. O que mais me impressionou naquela cidade foi a falta de motel, o que faz as pessoas ficarem fazendo de tudo no meio da rua!! É impressionante!
Também foi muito legal nossa caminhada atrás de um tal de "bar do pier". Quando chegamos lá, depois de muitos quilômetros, tava tocando Guns n' Roses :-(
O foda foi chegar cansado em casa, às seis da manhã, e viajar pra Pira depois de dormir só um pouco. Mas valeu a pena. Foi o maior HH de todos os tempos, com doze horas de duração!!! Isso que é Happy Hour...
Ok, daqui a pouco eu volto pra contar de Pira, tb foi demais!
Tem blog novo na parada!
É o Povo Planta (já tem link aí do lado). É o blog da galera, com muitas fotos e daqui a pouco mais novidades. É isso aí, galera, é o Quanta Planta invadindo a Internet!! :-)
Como diz o Grandjean, "Between, my well!!! Plant's not dead!!"

sexta-feira, maio 10, 2002

Bom, tô indo pra Cantareira, HH is just beginning!!!!!!!
Bom fim de semana procês!!!
Fui fazer o update do Yaccs, porque os caras pediram, e os filhos da puta me arquivam quase todos os comentários do blog... que merda!!
Ignorando o fato de que o pessoal quase nem entra mais nesse site nem comenta nada:
Ontem perdi a natação só pra ver o programa eleitoral do Lula. Que gênio que é o Duda Mendonça... Ainda bem que ele parou de trabalhar pro Maluf. E ainda me surpreendi com a produção do programa. Acho que o PT nunca teve tantos recursos pra fazer uma campanha, resultado do esforço que eles fazem há tempos pra mostrar que não gostam de comer criancinhas.
Sei não, cada dia crescem as esperanças. E o dólar subindo, e a viagem pra Inglaterra ficando mais cara :-)
E amanhã eu devo ir pra Pira (Pirassununga) pro casamento do meu primo, Lê. Faz muito tempo que eu não vou pra lá, me sinto meio culpado. Agora começa a seção casamentos, semana que vem tem outra prima que casa aqui em Sampa, a Adriana. Depois de quase uma década de namoro, finalmente...
E hoje tem HH, o maior de todos os tempos, com 8 pessoas confirmadas até o momento e ida para muito além da Paulista. Vamos até o Velhão na Cantareira, em horário muito melhor que a madrugada lotada. Vai ser dez!
Pela primeira vez em muito tempo, Átila estará conosco. Uhúu!!

quinta-feira, maio 09, 2002

Só mais uma letra, vai, eu preciso pôr essa...

Léo e Bia
Oswaldo Montenegro

No centro de um planalto vazio
Como se fosse em qualquer lugar
Como se a vida fosse um perigo
Como se houvesse faca no ar
Como se fosse urgente e preciso
Como é preciso desabafar
Qualquer maneira de amar varia
E Léo e Bia souberam amar

Como se não fosse tão longe
Brasília de Belém do Pará
Como castelos nascem dos sonhos
Prá no real achar seu lugar
Como se faz com todo cuidado
A pipa que precisa voar
Cuidar de amor exige mestria
E Léo e Bia souberam amar
Não fui autorizado pra contar, mas eu fiz a porra da música também, então acho que posso :-)
Grandjean também já usou o estratagema da "cantada musical" e acho que também aprovou. Numa noite, depois de assistir mais uma das "excelentes" palestras da Semana de Jornalismo da PUC, ele me surpreendeu com uma letra cujo título era "Nancy".
Eu fiquei espantado, porque não tinha idéia que ele gostava da nossa mais recente amiga. Ele pediu pra eu fazer uma música e, se não me engano, disse que "era só amizade". Enfim, sabia que isso era papo furado, então tratei de tentar fazer uma música bacana pra ajudar o casal. Como sempre, cheguei no ponto de ônibus da 23 de maio pouco antes do último ônibus da noite, à 1 da madrugada, depois de beber 4 garrafas de cerveja (da promoção) no Catito.
Como sempre também, ninguém no ponto. Peguei a letra e comecei o ritual: cantar ela bem alto, do jeito que fosse. Foi assim que eu fiz "Coiote" e outras cançõeszinhas mais, e quem passava jurava que era só um louco ou bêbado cantando sozinho.
Chegando em casa, toquei com o violão, descubri os acordes e pronto. Mostrei pro Grandjean e a música ficou engavetada alguns meses, esperando que o dono tivesse coragem de se declarar.

Então veio o primeiro show do Quanta Planta, no Projeto Equilíbrio. O combinado era tocar a música no final do show, pra surpresa da vocalista. Mas ainda não foi dessa vez. Depois do show, Grandjean me puxa e diz: "tem que ser agora". Peguei a viola, fomos em um canto e dissemos à Nancy que tínhamos uma surpresa. Tocamos a música, um pouco nervosos (ele mais que eu, claro) e ela adorou. Só que estava meio perdida. Por que essa música? Quem fez? Afinal, até então o cabeludo não tinha dado muitos sinais de interesse e costumava ser muito quieto com ela.
Ela disse:
- Linda música
E eu, vendo a situação, me apressei:
- Foi o Grandjean que fez a letra!
Achei que essa frase resolveria tudo, mas o Grandjean ainda não queria resolução:
- E o Maurício fez a música!
Depois disso, silêncio. A Nancy, que há muito já tava de olho no cabeludo, continuou confusa por mais um tempo, até um dia em que os dois resolveram abrir o jogo, adivinhem onde, no velho Catito de guerra, depois de beber várias rodadas da promoção.
Isso tudo em 1996, já faz cinco anos.
E isso me deu uma saudade dessa música...
Essa é especialmente pra Lili Martins, que pediu e está sendo prontamente atendida. Como ela mesma descobriu, essa música NÃO é da Adriana Calcanhoto, ela só canta. Aí vai:

Mais Feliz
Bebel Gilberto - Cazuza - Dé (1987)

O nosso amor não vai parar de rolar
De fugir e seguir com um rio
Como uma pedra que divide o rio
Me diga coisas bonitas

O nosso amor não vai olhar para trás
Desencantar nem ser tema de livro
A vida inteira eu quis um verso simples
Pra transformar o que eu digo

Rimas fáceis, calafrios
Furo o dedo, faz um pacto comigo
Num segundo teu no meu
Por um segundo mais feliz

quarta-feira, maio 08, 2002

Cálice
Chico Buarque e Gilberto Gil (1973)

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Ese silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

De muito gorda a porca já não anda
De muito suada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguém me esqueça

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Essa é, pra mim, a melhor letra que já foi escrita. Parceria magistral, em que Chico fez as duas primeiras estrofes e Gil as duas últimas e o refrão. Chico sacou o duplo sentido de "cálice" que nem Gil havia percebido, no início.
Costumo dizer que a versão do Milton Nascimento para essa música, no show do disco Txai, é a melhor coisa que passou pelos meus ouvidos até hoje. E não é exagero.
Obrigado a eles, então, Chico, Gil e Milton, por criarem isso pra gente.
Levei a Camila e o Alex pra conhecer o indiano. Eles adoraram. Conheceram também o João e o Barba, o editor da Geek. Foi bem bacana, todos repetiram alguma coisa.
Agora é retomar as forças pra levar amanhã a Nancy e o Grandjean. Será que eu agüento?
Devem estar pensando, pelos últimos posts, que eu tô tendo uma recaída, certo?
Errado :-). Deve ser o meu aniversário, que tá chegando, daí eu fico mais assim, lembrando certas coisas. Ainda mais que no último aconteceram algumas coisas não muito legais, mas tudo bem.
Ah, pra quem não sabe, é dia 13 de junho. Tá quase aí.
Eu sei que ninguém tá nem aí pra Casa dos Artistas, mas teve um lance legal outro dia: o Rafael Vanucci está apaixonado pela Tiazinha e chamou todo mundo na sala pra cantar uma música que tinha feito pra ela. Até que bonitinha a música, mas meio brega.
Isso me lembrou de algumas situações parecidas no Povo Planta. Eu e o Grandjean já usamos essa técnica e deu certo, eu recomendo :-)
Comigo foi em 1997, começo do ano. Eu estava em dúvida se devia ou não passar trote nos bichos, mas resolvi ir. Subindo em direção à Cardoso de Almeida, no meio dos calouros, eu vi uma moreninha bonitinha e assustada do meu lado. Bom, não diria que foi amor à primeira vista, mas podemos dizer "interesse à primeira vista". Fomos ao Catito (buteco do lado da PUC) e eu comecei a partir para o ataque. Nesse dia não rolou nada demais com a Carol (esse é o nome dela). Era uma segunda-feira.
Eu andava apaixonado por outra menina, mas não precisou de mais do que quatro dias (até a balada de sexta-feira) pra mudar tudo. Encontrei ela em uma festa na USP, e o que fodeu foi o jeito dela de ficar provocando e depois saindo fora (que eu até descrevi em uma música) .
Depois de mais uma semana, eu já totalmente vidrado nela e sem conseguir sucesso, cheguei em casa e resolvi: vou fazer uma música pra ela. Peguei o violão e a música simplesmente saiu, super-bonitinha. Daí fui dormir, mas a letra começou a surgir sozinha também, como mágica, e eu simplesmente tive que levantar pra anotar.
No dia seguinte, cheguei mais cedo na faculdade pra encontrar com ela (que ficava estudando na biblioteca) e a levei até a escada do prédio velho (aquela que leva do prédio novo ao pátio da cruz). Sentamos lá e eu toquei. Não sei como, só sei que bem nervoso, tremendo e com voz falha. Terminei, olhei pra ela, falei que tava apaixonado e pronto, a gente ficou.
Tudo bem que a história continua com muitas confusões, mas eu adoro lembrar dessas coisas e ver como a música é poderosa e o quanto ela faz parte de tudo que há de bom na minha vida.
O Sharon disse ontem que ainda é prematuro falar na criação de um estado Palestino independente. Ah, com certeza, afinal, foram só 50 anos de guerra, até agora... Vamo brigar mais um pouquinho, né? Sharon está firmemente emprenhado em conseguir bater o recorde da "Guerra dos 100 anos", entre Inglaterra e França...
Atendendo a pedidos, mais uma foto do Ed, diretamente da Bolívia, a 5000 metros de altitude. Descrição dele:
"Eu estou aqui na Guatemala, mas vou te mandar uma foto de quando eu estava na Bolivia, fronteira com o Chile, no alto da Cordilheira dos Andes a quase 5000m de altitude. O lugar é um geiser e essa fumaça é vapor quente que sai dos vulcões da regiao. Como você pode ver, estava um puta frio absurdo"

Legal, Ed, sempre que quiser, manda mais fotos aí! O pessoal fica tudo com inveja :-)


terça-feira, maio 07, 2002

Um dia tranqüilo, muito sol, mar... ai, ai...

quanta putria...
Putz, fazer seis páginas sobre DJs pra sexta-feira é um pouco difícil... Ainda bem que a galera que eu contatei tá respondendo, assim acho que pode dar tempo.
Como ajuda quando você trabalha com pessoas inteligentes. Acho que você acaba se inspirando e fazendo coisas legais também, aprendendo coisas, etc. Isso acontecia na Magnet, com os vários amigos que eu fiz lá (aliás, tem HH esta semana) e rola aqui na Digerati.
Eu e o João escrevemos as revistas e os textos dele são muito inspiradores. Isso porque o cara tá no segundo ano de jornalismo, com certeza tem futuro.
Bom, agora o time tá definido, só nos resta torcer, reservar o cobertor pra nos esquentar de madrugada, em pleno inverno e tratar de fazer o estoque de pipoca de microonda e refrigerante.
Chances nós temos. Não tantas quanto em outros anos, é verdade. Mas dessa vez, sim, a gente vai ver uma seleção raçuda pra caramba e posso dizer, já que o Felipão treinou o Palmeiras por três anos: dá gosto, é bonito ver o time jogar assim!
Só quem experimentou sabe...
Ontem bati o recorde de posts, 11 no total :-)
Merda, perdi a acupuntura hoje por causa do meu despertador imbecil, que não tocou. Vou ter que ir amanhã.
Aproveito pra avisar que vou começar meu trabalho de divulgação do restaurante indiano. Amanhã vou levar o Alex e a Camila e depois de amanhã vou com o Alex, Nancy e talvez o Grandjean. Quem mais quiser ir, fique à vontade.
O maior mistério é ver mistério
Ai de mim, senhora natureza humana
Olhar as coisas como são, quem dera
E admirar o simples que de tudo emana


Música do Renato Teixeira, alguém lembra? Acho que não, né? :-)

segunda-feira, maio 06, 2002

Engraçado, a Carô me ligou e eu falei do blog, então ela viu o post em que eu a descrevo como "gente boa, mas com um jeito bravo engraçado".
Adivinha como ela ficou? Brava, claro :-)
Falou gente, vou mais cedo hoje, té amanhã!
Quem diria, a Fuckable resolveu terminar o blog!! Era o de maior sucesso que eu já tinha visto, e um dos mais idiotas também. Isso porque só tinha os amigos delas bajulando a garota, dizendo que ela é linda, que o namorado dela é o máximo...
De vem em quando ainda tinha pérolas como: "que vontade de sentir fumaça de escapamento na minha cara. Odeio a natureza".
Enfim, finalmente um bom motivo pra eu tirar o link dela aí do lado :-)
Duas coisas passaram pela minha cabeça depois de mais uma derrota são-paulina ontem:
1) Ainda bem que saímos do campeonato. Com o Corinthians jogando assim, íamos tomar uma lavada
2) Peraí. O Palmeiras sempre destrói o Corinthians em finais, especialmente quando está com um time pior...

É verdade, a história conta. Em jogos Palmeiras x Corinthians, o meu time tem 9 vitórias a mais que o adversário. Já o São Paulo é mesmo saco de pancadas dos gambá. Venceu VINTE jogos a menos que o Corinthians, no confronto entre os dois times.
E o partido trotskista da Argentina está em primeiro nas pesquisas para presidente. Acho que o fato de a esquerda crescer na América Latina ao mesmo tempo em que a Europa se vira para a direita não deve ser fruto de mero acaso.
O que será que aconteceu com o nosso queridíssimo ministro Paulo Renato no ano de 1998? Poxa, será que ele sofria de algum mal nas cordas vocais ou algum outro problema que impedia a sua comunicação?
Porque, no mesmo ano em que ficou sabendo das escolas de lata de Celso Pitta e não fez nada sobre isso (preferiu comentar o assunto só em 2002, mesmo assim quando perguntado pela imprensa), ele também ficou sabendo do pedido de propina de Ricardo Sérgio no processo de privatização da Vale. E também não disse nada.
Ah, pra isso ele deu uma explicação: "Não disse nada porque a propina não foi paga".
Excelente. Então, como não pagaram a propina, podem deixar o chantagista impune. Belo exemplo de ética na política do nosso Ministro da Educação...
Uma coisa é certa nessas histórias todas: um blog NÃO é um local adeqüado pra resolver questões como briga entre pessoas que se gostam pra caramba. Acaba piorando tudo, é a maior fonte de mal-entendido que existe. E tem outra: tem que ter serenidade pra tentar resolver essas questões, senão, tudo o que se consegue é mais e mais confusão.
Mais um troço bem bacana no Quadum! Vão lá ver as escalações de alguns times para a Copa do Mundo. Destaque para EUA, Argentina, Japão, Grécia e Arábia Saudita :-)
Essa eu não consigo acreditar, Camila e Du... vocês são foda...
E o ensaio foi muito dez, apesar de a Nancy não ter ido porque estava doente. Ando gostando muit mesmo de tocar bateria, e acho que estou bem melhor que antigamente.
Que bacana a balada de sábado. Fazia tempo que eu não saía com o Cição. Fomos eu, ele, a Carô (irmã dele) e a Miki (ex dele) pra um bar em Osasco. Altamente tosco, a pista só tinha um luz azul que piscava uma vez a cada minuto, o som era de mini system, a decoração era uns papéis na parede (o Cição gosta de bares assim) e o DJ dava o som em um quartinho do lado, escolhendo as músicas e arrastando pro Winamp :-)
Mas foi muito divertido, eu gosto dessas pessoas. Não sei por que, acho que é porque elas riem das minhas piadas :-)

Aliás, domingo também saí com eles, depois do ensaio. Pra continuar nas baladas toscas, fomos pro Select (isso mesmo, no posto de gasolina :-). Ficamos do lado de um carro tocando poperô. Quando não aguentamos mais, resolvemos ir pro lado, onde tinha um carro tocando axé. Mais à frente, sertanejo. Daí resolvemos comprar logo as cervejas e ficar bebendo no estacionamento do MacDonalds.
Eu gosto dessas coisas. Me lembra os tempos em que eu e o Cição ficávamos compondo no Seven Eleven, era muito bacana. Outra coisa engraçada é a Carô, ela é gente fina, mas é toda brava, chega a ser engraçado. E a Miki é uma das japonesinhas mais gracinha que eu conheço.
Uma coisa legal: várias pessoas entram aqui procurando "Pipes of Peace", o que mostra que Paul McCartney ainda tá com uma popularidade boa. Agora, ontem também entraram procurando "frases engraçadas para aniversário". Meu Deus, o que passa na cabeça de um ser pra fazer uma busca dessas?

domingo, maio 05, 2002

Falei de mulheres maravilhosas, mas teve uma que, apesar de ser gente boa, conseguiu me decepcionar várias vezes. Tanto ela como a sua família esquisita.
Uma das piores foi quando meus pais visitaram a casa dela pela primeira vez. Quem conhece meus pais sabe como eles são bacanas. Ninguém tem moral pra falar mal deles.
Eles estavam na festa de aniversário da minha namorada na época, com aquele jeito deles, tímidos, quietinhos, mas super tranqüilos.
Daí, a conversa era sobre educação de filhos e, por algum motivo, meus pais entraram na discussão. Então, a mãe da menina, uma pedagoga com filhos superproblemáticos (aliás, ela também superproblemática), solta essa:
- É mas esses dois não podem ser parâmetro nenhum sobre como educar os filhos.

Sacanagem, que bruxa! Ela não pode falar assim com uma visita especial, e nem tem nenhuma moral pra falar sobre como meus pais nos educaram! Meu pai ficou bem bravo e se segurou, mas não acharia nada ruim se ele partisse pra cima dela.
Meus pais são as pessoas que eu mais admiro no mundo. Eles têm seus defeitos, claro, e a educação que eles deram pra gente não foi perfeita, porque educação perfeita não existe. Mas a quantidade de coisas boas que eles nos passaram foi imensa. Infelizmente, acho que isso acaba gerando inveja em certas pessoas que estudaram e estudaram para educar bem, e não conseguiram nada por pura falta de capacidade.
Living is easy with eyes closed
Misunderstanding all you see
It's getting hard to be someone but it all works out
It doesn't matter much to me

sexta-feira, maio 03, 2002

E tá na hora de os palmeirenses terem algo pra curtir nesse semestre, né, depois de tanto sofrimento...
Tá aqui um joguinho especialmente pra eles e pros são-paulinos também poderem se vingar dos gambás.
Para jogar clique aqui!
(pode executar sem medo :-)
No Ouvido, em primeira mão, o jogo que está causando mais polêmica na Internet, Kaboom!
Já aviso ao Alex que ele não deve jogar, é muito forte para ele.
Para jogar, clique aqui!
(use apenas o mouse, para os lados para direcionar o personagem e clicando para acionar a bomba)
Que decepção com o Velho Continente... Agora até no Reino Unido a extrema-direita avança, com um discurso que prega uma "Grã-Bretanha totalmente branca".
Ê, mundinho escroto...
E ontem os caras do Na Geral foram no Superpop, da Lucianta Gimenez. Eu tinha ouvido eles no carro, na hora de ir embora, e, pra variar, chorado de rir.
Daí fiquei esperando só pra ver eles no programa. Mas a Lucianta é muito besta, nem aproveitou direito o talento do Beto Hora que, por sinal, parecia meio perdido fora do seu habitat radiofônico. Parecia que ela nem sabia o porquê de eles estarem ali.
Mas dane-se, eles são demais e em breve vou assistir-lhes ao vivo na rádio!
Putz, agora que eu reparei, o meu signo Asteca é regido pelo deus do mal!!
Ele chama Huehuecoyotl. Com esse nome, devia mais é ser o signo do Grandjean... :-)
Meu cabelo está comprido, conseqüentemente, começou a temporada de ficar puxando ele obssessivamente, o dia todo. A Nancy disse que isso é um tique bonitinho, eu acho que deve ser horrível e ainda por cima me deixa com dor de cabeça :-)
Controle-se, Maurício!
Gente, por falar em astrologia, vocês sabem seu signo Asteca? Acho que não, né?
Descobri o meu, é esse aqui:

Lagarto
Você gostaria que a vida fosse uma festa interminável.

O lagarto é um animal de comportamento vivaz. Isso exatamente é o que representa o símbolo desse signo, regido por Huehuecoyotl, o deus do mal. Você, que nasceu nesse período, tem uma notável capacidade para agir sempre com senso estratégico, em todos os setores da vida. Mas sobretudo nos negócios, onde consegue tirar vantagem das situações mais complicadas. Foge instintivamente das responsabilidades, por isso tem sempre uma aparência de imaturidade, agravada pelo fato de que nunca consegue controlar direito sua agressividade. Seu jeito frio e distante não engana ninguém: é apenas uma forma de esconder seus verdadeiros sentimentos. Você é inquieto, nervoso, tem horror à monotonia. Sente-se seguro quando apoiado em amizades profundas. Vive o amor com grande liberalidade e respeita a liberdade do parceiro. Tem um pouco de idealismo, vive nas nuvens, necessita completar-se com uma parceira compreensiva e realista. A vida assim pode tornar-se uma interminável ciranda de divertimentos. Você é um pai muito amigo dos seus filhos, trata-os de igual para igual, graças a seu espírito sempre jovem, que o faz parecer um irmão mais velho. Para a sua esposa, é comunicativo, vive inventando motivos para festa e comemorações.

Não concordei com um monte de coisa, mas tudo bem...
Quer saber o seu? Clique
aqui!

quinta-feira, maio 02, 2002

Em 2000, fiz uma música e uma letra (coisa rara) que falava justamente da minha dificuldade em criar uma letra de música ou um poema. Às vezes até consigo fazer coisas bem legais, mas é raro mesmo. Geralmente, é um verdadeiro parto a fórceps, sem grande resultado.
Agora mesmo, eu tô com tanta vontade de escrever alguma coisa, tanta. Uma coisa que fosse poderosa o suficiente pra ajudar a resolver as coisas, como já foi em outras ocasiões. Mas não ando conseguindo muito não.
Tô agora num daqueles momentos em que queria escrever um monte de nota aqui...
Paciência
(Lenine)

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
A vida não para

Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora vou na valsa
A vida tão rara

Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência

O mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência

Será que é o tempo que me falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para
A vida não para, não
Mas ainda vou falar mais de Beatles, goste o João ou não :-)
Eu comecei a gostar da banda (e, conseqüentemente, de música) de um jeito diferente da maioria. Não foi comprando os discos do começo da carreira, com os roquizinhos mais famosos.
Foi na aula de música do meu colégio. Lá, a professora pediu pra gente tocar na flauta músicas que eu nunca tinha ouvido, "Eleanor Rigby", "Penny Lane" e "With a little help from my frieds" (ou seja, só a melhor safra, 1966-1967, principalmente do Paul). Eu, que sempre gostava de fazer bem as coisas e não conseguia ainda ler muito bem o ritmo das partituras, tratei de comprar os discos pra conhecer esses sons. E ADOREI, claro!
Tá vendo só como aula de música nas escolas é importante? Antes, eu odiava música, já que só ouvia as porcarias que as minhas irmãs gostavam na época, tipo Erasure e Information Society. Dizia pra mim mesmo "Putz, música é um troço chato pra caramba". Mas a escola me ajudou a descobrir coisas bem legais na música, e daí por diante, nunca mais largei.
Legal, escrevi um email pro Carlão e ele já me respondeu. Disse que ainda está difícil arranjar trampo, mas que ele continua correndo atrás. Mandou beijo pra todo mundo e, como sempre, desejou boa sorte pra banda. Taí um cara que realmente acredita no Quanta Planta.
Ontem, depois de tentar dar um jeito no micro da minha irmã (que não tava tão ruim assim), fui no cinema assitir a "O invasor". Puta filmaço! Adoro o fato de que eu só vou no cinema assitir filme bom. Vou de vez em quando, mas sempre acerto.
Esse aí é uma puta crítica social, muito dez, com Paulo Miklos detonando no papel de um "mano". A idéia é que ele seria o tal invasor do título, mas, no fim, a ovelha negra é o Marcos Ricca, o único que ainda guarda alguma preocupação ética dentro daquela sociedade caótica. E todos dizendo pra ele "deixa de ser besta", "seu babaca", etc.
Divertido...
Ainda mais com a Mariana Ximenes que é absolutamente maravilhosa...

quarta-feira, maio 01, 2002

Aliás, eu tava pensando: que fase teve o John Lennon como compositor, em 1967!
Senão vejamos: no finalzinho de 1966 ele compôs "Strawberry Fields Forever"; no primeiro semestre do ano seguinte ataca com "Lucy in the sky with diamonds"; depois "A day in the life", "All you need is love" e, no final do ano, "I'm the walrus"!
Caraca, como um cara consegue compor essas músicas no período de um ano?? E teve muitas outras, só citei os clássicos absurdos. Tem que ser meio iluminado. "Strawberry Fields", "A day in the life" e "All you need is love" são as melhores músicas do Beatles, pra mim, especialmente a segunda. Muito foda...
E também ontem parei para pensar que na minha experiência com mulheres (ok, uma experiência não tão vasta assim) tive muita sorte em só encontrar pessoas maravilhosas. E é muito legal constatar isso, porque me deixa mais seguro, existe muita gente boa no mundo.
O mérito é quase todas dessas meninas lindas, mas também meu, porque realmente estou vendo que eu sei me aproximar das pessoas certas.
Porque, meu amigo, o que tem de mulher ridícula por aí, hoje em dia... Com os valores todos trocados.
Como disse uma vez o Grandjean, na ânsia de se verem em igualdade de condições com os homens, muitas delas pegaram e radicalizaram o que de pior existe no universo masculino. São essas as encalhadas, que estão sempre reclamando que não tem homem que preste, mas são as primeiras a escolher namorado pelo tamanho do bíceps.
Ontem peguei no violão só para tocar um pouco, depois de muito tempo. E consegui compor uma pequena música, em alguns minutos. Gostei bastante dela, começa com um riff meio dissonante, em ritmo de baião e depois tem um refrão melodioso, ainda em baião, mas em um compasso 7/4. Baião em 7/4, até que não ficou nada estranho...
Mas parou por aí, tudo bem pequeno, como em todas as minhas músicas e trabalhos. Sempre fui assim. Na PUC, meus trabalhos sempre tinham uma ou duas folhas e por isso eu sempre levava nota baixa.
Mas, fora a preguiça (fator importante), descobri que isso tem muita razão de ser. Acho que tem a ver com simplicidade, com uma certa ingenuidade. Tem a ver com Beatles, também. Como naquela música, por exemplo:
"All you need is love
All you need is love
All you need is love, love
Love is all you need"
Um refrão inteiro com cinco palavras, repetidas em ordens diferentes.
Enfim, tem a ver com o fato de eu achar que a solução para quase tudo está em poucas palavras, em poucas idéias, em poucas notas musicais. Então vou desencanar e continuar seguindo esse meu estilo. Nunca vou conseguir desenvolver um tema como Beethoven, mas pelo menos já sei que tudo bem, isso é apenas um reflexo da minha consciência.