sexta-feira, janeiro 30, 2004

Diz a lenda que o Maurício tem memória fraca. Bom, não é bem assim...

Está acabando uma história que começou há dois anos e meio. Eu lembro bem daquele manhã, eu estava bem nervoso. Consegui acordar, mas só com um bip do meu amor. O que estava escrito era tão bonito que acabou com todo o nervosismo.
Quando eu cheguei, nessa mesma sala em que agora eu estou escrevendo esse texto, vi um bando de garotos, muita coisa pra fazer e nenhuma condição de escrever uma matéria. Nada de Internet, telefone muito menos. Na hora do almoço, atravessando a faixa de pedestres da Paulista, mais um bip. De volta, muitos emails. Com certeza eu tinha alguém do meu lado.
Claro que, de lá pra cá, muita coisa mudou: agora há uma grande estrutura, e aquela pessoa já não fica do meu lado.
De qualquer forma, essa história é muito forte, e tão rica em tantos detalhes que é impossível contar em um post. Mais que isso, é uma história que não posso nem publicar neste blog!
Mas que vai deixar muitas saudades. Eu sou mesmo foda. Me apego a tudo... Deixo aqui pelo menos muitos amigos, algumas pessoas que não pretendo ver nunca mais, mas a maioria, sim, de amigos.
Vamos pra uma outra jornada.
Que venga el toro!

terça-feira, janeiro 27, 2004

Para muitos, a melhor letra de todos os tempos. Eu acho que é mais a junção da letra com a música que cria um resultado sensacional. Ontem tava tocando ela no violão, é muito relaxante, depois de mais um dia duro de trabalho.

In My life
(Lennon/McCartney)


There are places I’ll remember
All my life though some have changed
Some forever not for better
Some have gone and some remain
All these places have their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life I’ve loved them all

But of all these friends and lovers
There is no one compares with you
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new
Though I know I’ll never lose affection
For people and things that went before
I know I’ll often stop and think about them
In my life I love you more

Though I know I’ll never lose affection
For people and things that went before
I know I’ll often stop and think about them
In my life I love you more
In my life I love you more

domingo, janeiro 25, 2004

AI MINHA OREEEELHAAAA!!!

Tá doendo! Tem uma argola nela, só que tá doendo pra caramba... e mais, não sei se eu gostei ou não do piercing. A gente ainda tá se conhecendo, eu pergunto o que ele tá fazendo ali, ele xinga a minha mãe... Não sei, vou esperar uma semana, ver como fica e tal, se não for com a cara dele mesmo, eu tiro.
Mas que tá latejando pra caramba, isso eu sei..

terça-feira, janeiro 20, 2004

Nancy está com capa do CD prontinha! Arte de Gustavo Grandjean e fotos de Lili Martins. Participo tocando violão e bateria e como compositor, mas o show é a voz dela!
Vejam e comentem!

Frente e verso do encarte:



Dentro do encarte:



Parte de trás do CD:

Uma das minhas preferidas do Cure:

"It's always the same
Wake up in the rain
Head in pain
Hung in shame
A different name
Same old game
Love in vain
And miles and miles and miles and miles and miles away
From home again..."

Por email:
">Você sabe qual a comida mais nutritiva para a mulher?
>
>É o penis: tem leite, carne, dois ovos e se comido com prazer, pode encher a
>barriga por uns 9 meses..."

domingo, janeiro 18, 2004

Outro momento "mico total" foi eu, no mesmo palco-pista, tentando dançar rock 50. Decididamente eu não nasci pra isso. Alguém tem que me explicar bem devagar o que fazer com as pernas, só pra começar...
Valeu a noite: nós sozinhos no palco-pista recebendo aulas de dança do professor Grandjean. Totalmente hilário! Pena que só eu, a Marina, o Cição e a Lilli vimos (fora toda a galera da casa que tava olhando pro palco naquele momento)...
Agora é hora de contar os mortos e feridos e ver como foi o Primeiro Encontro de Ano Novo da galera.
Seguinte: em certos aspectos foi um sucesso, em outros nem tanto. Foi muito legal poder reunir esse povo todo (no fim foram 22 pessoas). Muitos não se viam há ANOS (Rodrigo e Djá, Camila e Nancy, Alex e Djá, etc.) e muitos não tinham se visto NUNCA (como a Angélica a Marina e a Kica, recém-chegadas ao Povo).
Resultado: rolou uma integração legal, até mesmo com quem não foi mas foi convidado (como a Paola). Em breve iremos todos na casa dela matar as saudades e fazer um revival do Quanta Planta. Aliás, algumas ausências sentidas foram justamente do pessoal da banda, como a Paola e o Carlão. Mas tudo bem, eles tiveram motivo pra faltar.

O problema foi só o lugar mesmo. Como o Grazie a Dio tava chato ontem! A banda tocou mal, burocrática, repetindo as mesmas músicas de sempre; o DJ só tocava coisa fraca, cortava as músicas no meio, um horror; a casa estava vazia e, às 2hs, já tava com cara de fim de noite. Totalmente trash...

Moral da história: tudo muito bom, tudo muito bem, mas ano que vem a gente tem que escolher um lugar matador mesmo pra fazer essa festa. O bom é que temos o ano inteiro de baladas pra tentar conhecer esse lugar.

sábado, janeiro 17, 2004

Só espero que os poucos comentários no post abaixo não queram dizer que só vão eu, Alex, Lili, Nancy e Dani na festa...
Claro que não! Vamos aparecer lá, héin cambada???

segunda-feira, janeiro 12, 2004

Nessa NINGUÉM pode faltar!!!

A "Primeira grande festa de ano novo do Povo Planta"!!!!!
Bota Dentro 2004

Vai ser sábado, no Grazie a Dio, na Vila Madalena. Simplesmente a melhor casa noturna com som ao vivo de São Paulo (segundo a Playboy e outras revistas). Muito jazz, DJ no resto da noite e tudo o mais que a gente quer de uma balada. Fora a oportunidade de ver toda a galera, inclusive aqueles sumidos de quem a gente morre de saudades. Vai ser sábado, às 22h. Quem quiser chegar antes para jantar, pode conferir um dos melhores restaurantes da cidade (segundo o crítico gastronômico Maurício Martins)! Contamos com a presença de todos!

Grazie a Dio - Rua Girassol, 67- Vila Madalena
Tel: 3031-6568
Couvert Artístico - R$ 10 (e vale a pena, porque o som é show de bola!)
Sem consumação mínima!
Show: Sindicato BR. Composta por músicos e instrumentistas reconhecidos, a formação tem representantes do Karnak, Funk como Le Gusta e Havana Brasil

domingo, janeiro 11, 2004

Ganhei, entre outras coisas, o novo disco do System of a Down de Natal. Resultado: box do banheiro quebrado. Tá vendo como música pode incitar a violência???? :-)

Isso sim é metal. Você sente com clareza: os caras estão NERVOSOS...

sexta-feira, janeiro 09, 2004

Mas eu acabei lembrando de uma coisa linda. Eu já falei que uma das melhores coisas da vida, pra mim, é como acontecimentos banais podem acabar mudando toda uma existência. Pois então.
Me lembrei de uma cena linda, linda, linda. Sempre que eu lembro meus olhos até se enchem de lágrima.

Uma banda nova, um bando de garotos e garotas tocando voz e violão, no Projeto Equilíbrio. Antes do show, alguém chama a atenção para os amigos do Grandjean, meu novo amigo com quem tinha montado a banda meses antes. Olho pra trás e vejo um pessoal.
- E aquela é a famosa Camila
E, de costas, havia uma menina maravilhosa, com uma longa cabeleira loira e um sobretudo de couro, andando em direção ao balcão de bebidas :-). Nunca mais esqueci dessa cena. Quando eu lembro daquele instante, percebo que alguma coisa já me dizia que aquele não era um momento qualquer.

Era a primeira vez que eu via ela. E como eu poderia imaginar que ela seria uma das minhas melhores amigas de todos os tempos, que ela seria minha namorada, que ela se casaria com um cara não menos sensacional e mesmo então manteria comigo e com todos aquela essência que transborda bondade e atinge sempre a gente em cheio. Ela continua tão especial quanto antes e tudo indica que vai sempre continuar sendo. Mesmo furona desse jeito :-). Camila, eu sei que você nem lê isso aqui, mas você é com certeza uma das duas ou três melhores pessoas que eu encontrei por aí nesse mundo.

Valeu por existir e estar aqui perto de mim.

Já faz um tempo que eu estou me sentindo muito oprimido. É como seu eu fosse um país ocupado, cercado pelo inimigo, sem lugar pra correr. Já houve momentos em que eu encontrei pessoas nessa situação, e eu ajudei, até muito mais do que deveria. Agora, e é mais um motivo pra eu estar triste, não parece ter alguém especialmente preocupado, a não ser eu mesmo.
Quero minha liberdade de volta!!!
Qualquer lembrança agora é saudade.
Saudade de quando eu encontrava a Camila para alegres aulas de violão no centro cultural. Quando eu encontrava o Grandjean no parque do Ibirapuera, pra fazer música. Quando eu e o Cição ficávamos pirando na frente do Seven Eleven. Quando a gente subia a Serra da Cantareira. Quando a gente fazia shows, para muitos e muitos amigos. Quando eu brincava de bola com meus primos no meu quintal.
Eu quero isso de volta. Eu quero sair daqui!
Alguém me ajuda!!!

quinta-feira, janeiro 08, 2004

Mais uma para aqueles que defendem idéias como:

"O governo Lula é de mero continuísmo"
"O Lula decepcionou todo mundo"
"O Fome Zero é puro marketing"
etc., etc.

A lei do Renda Mínima, que o Suplicy batalha há mais de 10 anos, acaba de ser sancionada pelo Presidente. Agora, todos os cidadãos do País devem receber o mínimo necessário para custear alimentação, educação e saúde. Que beleza, se isso se concretizar, estaremos aplicando o que o regime de Cuba tem de melhor, sem precisar do que o que ele tem de pior.

E para aqueles que adoram dizer que "não adianta dar o peixe, tem que ensinar a pescar" ou que "assim as pessoas não vão querer trabalhar mais", eu sempre digo: vai ganhar R$ 100 por mês pra sustentar a família e depois reclama. E mais: até parece que alguém pára de trabalhar e fica satisfeito com essa "fortuna" que o governo vai pagar como mínimo... Enfim, críticas de quem tem muito e não se importa se há milhões vivendo em condição sub-humana.

Mais informações:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u57001.shtml
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u56993.shtml
Cara, tava pensando sobre essa letra Crying in the rain. É impressionante como nós homens somos orgulhosos. Claro que há excessões, mas a maioria é incapaz de chorar na frente de alguém, principalmente uma mulher, principalmente uma namorada. Eu não sou diferente. E acho que me faz bem ser, pelo menos nesse ponto, orgulhoso. Porque eu no resto....
Quase ninguém que eu conheço gosta, mas, sim, tenho que admitir que eu curto Skank. Acho muito gostoso de cantar e tocar. E essa música aqui tem muito a ver com a minha maior resolução de ano novo.

Vou deixar

Vou deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser
Estou no meu lugar
Você já sabe onde é
Não conte o tempo por nós dois
Pois a qualquer hora posso estar de volta
Depois que a noite terminar

Vou deixar a vida me levar
Pra onde ela quiser
Seguir a direção
De uma estrela qualquer
Não quero hora pra voltar, não
Conheço bem a solidão, me solta
E deixa a sorte me buscar

Eu já estou na sua estrada
Sozinho não enxergo nada
Mas vou ficar aqui
Até que o dia amanheça
Vou esquecer de mim
E você se puder não me esqueça

Vou deixar o coração bater
Na madrugada sem fim
Deixar o sol te ver
Ajoelhada por mim, sim
Não tenho hora pra voltar, não
Eu agradeço tanto a sua escolta
Mas deixa a noite terminar

terça-feira, janeiro 06, 2004

Outra info que acabei achando na Net, nessas andanças, é que a nova música do Limp Biskit, que eu acho uma merda, não é deles, e sim do The Who. Chama-se Behind Blue Eyes.

Cara, é foda, não ouvi o original e não sei como eles conseguiram, mas eles tiveram a manha de fazer The Who soar como uma boys band!! Tô fora...
Só pra completar a informação, a música foi lançada pelos Everly Brothers, em 1961, e foi composta por Howard Greenfield e Carole King.
Não, isso não é Ah-ha. É um clássico do rock dos anos 60. E é por coisas assim que eu digo, é possível fazer música romântica sem clichês (pra quem só ouve CPM22...)

Crying in the rain

I'll never let you see
The way my broken heart is hurting me
I've got my pride and I know how to hide
All the sorrow and pain
I'll do my crying in the rain

If I wait for stormies skies
You won't know the rain from the tears in my eyes
You'll never know that I still love you so
Do the heartaches remain
I'll do my crying in the rain

Raindrops falling from heaven
Could never take away my misery
Since we're not together
I pray for stormy weather
To hide these tears I hope you'll never see

Someday when my crying's done
I'm gonna wear a smile and walk in the sun
I may be a fool
But till then, darling, you'll never see me complain
I'll do my crying in the rain


segunda-feira, janeiro 05, 2004

Idéia do Alex: criar uma nova instituição na galera, o bota-dentro de ano-novo, a ser sempre realizado no primeiro final de semana depois do fim de semana de ano novo.

E pra começar, no próximo sábado já queremos montar um. Amanhã vamos nos reunir, eu e o Alex (e mais quem quiser) para discutir o assunto. Por enquanto sabemos que o lance deverá ser no O'Maileys. O que acham da idéia? Já vão reservando o próximo sábado aí, pessoal!