quarta-feira, novembro 22, 2006

Green grass... (parque de Greenwich, divisa do mundo. Sou eu ali, jogando bola com o guri)


Blue eyes... (Oxford Street. Não dá pra ver os olhos, mas aposto que são azuis :-)


Gray sky... (não precisa falar nada...)


God Bless (Abadia de Westminster. A original data de 1066)

domingo, novembro 19, 2006

*UPDATE: Havia um erro crasso na Conclusão 3, já corrigido. Advirto que pode haver outros, sendo que não sou matemático, estatístico nem economista, e sim apenas um jornalista enxerido e um sincero interessado sobre o tema.

Muito se fala sobre as distorções do sistema educacional do país, de que se investe muito mais em universidades públicas do que no ensino fundamental (usando sempre, de propósito, os dados per capita), de que deveríamos cobrar mensalidade dos ricos que cursam essas faculdades, etc. Falam sobre isso como se estivesse aí a solução para a educação brasileira.

Sou a favor de consertar essas distorções e da cobrança de mensalidade, mas não concordo que isso vá ser A solução para os problemas na base. Estive pesquisando alguns dados:

1) Gasto do Brasil com educação: 4,3% do PIB (abaixo da média da OCDE, de 5,3%. A líder, Dinamarca, aplica 8,5%)

2) Gasto do Brasil com pagamento de juros: 7,85% do PIB

3) Gasto com Educação Superior Pública: 1% do PIB (apenas 0,2% acima da média da América Latina; a Argentina gasta 1,4%)

4) Número de Universitários em instituições públicas no Brasil: 1 milhão de estudantes

5) Gasto per capita para alunos do ensino fundamental: US$ PPP 870

6) Gasto per capita para alunos de universidades públicas: US$ PPP 10.000

Esses e outros dados nos permitem tirar algumas conclusões:

1) Ao contrário do que muitos dizem, o Brasil gasta pouco do seu PIB em educação, principalmente se considerarmos que precisamos ainda investir muito para criar uma estrutura adequada

2) Em relação ao PIB, o gasto com universidades públicas não é tão diferente do que acontece em outros países. Além disso, mesmo que reduzíssemos este 1% para 0,5%, por exemplo, isto estaria longe de resolver nossos problemas na educação de base

3) Na mesma linha da conclusão acima, se cobrássemos R$ 600 reais, por exemplo, de cada um dos universitários da rede pública, conseguiríamos apenas R$ 600 milhões por mês, podendo aumentar o gasto total em educação em 0,4% do PIB. Ou seja, praticamente não faz nem cócegas... Lembrando que nem todos estes universitários poderiam pagar a mensalidade, o que faria o total arrecadado ainda menor

4) Há sim uma distorção muito grande no gasto per capita das universidades públicas. Mas aí já sabemos os motivos, são os de sempre quando falamos de repartições públicas brasileiras: desperdício, corrupção, professores não comprometidos, cabide de empregos, etc., etc.

5) É reduzindo o pagamento de juros que poderíamos ter, aí sim, quantia significante para investir em educação

Enfim: pode-se cobrar mensalidades, pode-se reduzir o investimento em educação superior, ok, sou a favor. Mas não se espere que esteja aí a solução para os males da nossa educação. Tem muita coisa para ser feita, mas, decididamente, não é esse o gargalo fundamental para a educação básica de qualidade no Brasil.

Fontes:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000300007
http://www.unicamp.br/unicamp/canal_aberto/clipping/julho2005/clipping050708_gazetamercantil.html
http://www.cristovam12.com.br/index2.php?page=saladeimprensa&sub=noticias&id_item=3674
http://cienciahoje.uol.com.br/controlPanel/materia/resource/download/41946
http://www.iea.usp.br/iea/observatorios/ensinosuperior/autonomiafinanciamento/schwartzmanfinanciamento.pdf

sábado, novembro 18, 2006

Mais uma manchete interessante de se ler, antes de dormir:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1811200601.htm
"Outra jovem anoréxica morre aos 21 anos

É a segunda morte em decorrência da doença em menos de uma semana; para avó, distúrbio é diabólico"

Só um singelo comentário: seria muito interessante se TODA A INDÚSTRIA DA MODA SE FODESSE!!

Especialmente aqueles FILHOS DA PUTA que tiveram a coragem de vir a público falar que a Carol morreu de complicações que não têm nada a ver com aneroxia, ou que esses casos são só exceções. SÃO EXCEÇÕES PORQUE NÃO SÃO NA SUA FAMÍLIA, NÃO É, SEUS ESCROTOS???

DEIXEM AS MENINAS SEREM QUEM ELAS REALMENTE SÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Audere est Facere!!!

sexta-feira, novembro 17, 2006

domingo, novembro 12, 2006

Com a Alemanha eu não simpatizo mesmo! Olha só essa pesquisa, que identifica 20% da população como tendo características anti-semitas. Mesmo depois de tudo o que aconteceu. E outro dia o Ed me contou que um amigo dele, em Berlin, tinha que andar sempre em grupo pra não ser espancado na rua, simplesmente por ser estrangeiro e de uma raça diferente. Que paisinho legal, hein...
Definitivamente foi um belo sábado, graças ao jantar no excelente Inomminato, com companhia de alguns dos meus melhores amigos, e, principalmente, pelo filme maravilhoso.

Como fazem falta mais filmes como "Uma verdade Inconveniente": uma declaração direta e contundente sobre algo que REALMENTE IMPORTA. Qualquer pessoa que simplesmente vira as costas para isso, pode ser considerada (independetentemente de quantos diplomas carregue debaixo do braço) um ignorante.

sábado, novembro 11, 2006

Eu juro que sonhei hoje com a história do ônibus 174. Era o que faltava, eu agora virar médium...
Olhem só a que nível de demência chega o governo da Coréia do Norte! Aparentemente eles deixam (ou mandam) pessoas trabalhar no exterior, mas as monitoram dia e noite e obrigam que sejam depositados até 80% do salário obtido para o governo, entre outros itens para "presentes de aniversário para o líder Kim Jong Il".
É a escravidão globalizada...

quarta-feira, novembro 08, 2006

Estava pensando sobre o post que escrevi abaixo sobre a Inglaterra. Na verdade, dá pra saber por que eu gosto tanto desse país.

Quando eu era pequeno, eu era um garoto bastante sozinho. Havia uma série de coisas, no entanto, que me faziam companhia, e uma das principais delas eram as minhas leituras. Sempre havia, no meio delas, muitas histórias legais sobre Inglaterra e sobre Londres. Do que eu mais gostava era não-ficção, então rapidinho comecei a comprar tudo o que podia sobre esse país tão poderoso, que tinha formado um império gigantesco no século anterior, e que possuía uma capital tão bonita e misteriosa. Além disso, eles eram inventores do futebol, esporte que eu já adorava.

Eu tinha uns 10 anos e comecei a querer saber tudo sobre lá, a ponto de os adultos começarem a ficar sem resposta. Perguntava pra minha professora de geografia: "professora, mas afinal a Inglaterra é um país?”. “Sim, Maurício, é um país”. Mas então o que é a Grã-Bretanha?". Lembro que ela se atrapalhou toda... :-). Também queria saber tudo sobre o time que elegera por lá, o Tottenham, que tinha os dois melhores jogadores ingleses, Gary Lineker e depois Paul Gascoigne, fora o Klinsmann, um dos maiores da Alemanha. Chegava a segunda-feira e eu comprava os melhores jornais pra saber resultados, mas ficava decepcionado em não ver nada sobre o campeonato inglês. Pena que não havia Internet naquela época!

Perguntava pra minha mãe: "como eu faço pra acompanhar isso, mãe??". Minha mãe, que sempre fora da opinião de que "se o homem chegou à Lua, tudo tem uma solução", teve uma idéia: "liga para os jornais pra saber!". Assim, Maurício, aos 10 anos, tinha seu primeiro contato com o jornalismo. Liguei para a redação do Estadão e da Folha, e os jornalistas, atônitos, ouviam a voz de criança do outro lado da linha: "oi, moço, eu queria saber o resultado do Tottenham no fim de semana...". Eles diziam, "aguarde na linha, não sei se vou conseguir...". E acabavam voltando dizendo que não tinha como obter a informação.

Fiquei desolado. Minha mãe teve outra idéia: me levou até o Aeroporto de Congonhas, lá com certeza haveria jornais ingleses. Assim, Maurício, aos 10 anos, se tornou "leitor" do Daily Telegraph!! E a manchete era exatamente o que eu queria: os Spurs haviam vencido seu grande rival Arsenal no dia anterior.

Depois de um tempo, descobri os Beatles, e sobre isso nem preciso falar nada. Foi aprendendo a tocar Eleanor Rigby na flauta que resolvi comprar meu primeiro disco. Foi ali também que descobri meu talento pra música, ao tocar para a classe (e também a primeira vez em que a música me aproximou das pessoas). Foi ouvindo Ringo Starr tocando que decidi aprender bateria. E daí em diante eu já não era mais o garoto sozinho lá de trás.

Pois é, dá pra saber por que eu gosto tanto desse país.

terça-feira, novembro 07, 2006

Que beleza, parece que a Câmara dos Deputados o Bush já perdeu. Agora é torcer pra ele perder o Senado também. O mundo comemora!
O sujeito que inventou isso (Azeredo, de resto o inventor do Valerioduto) não entende nada sobre Internet. Ou talvez finja que não entende, preocupado em satisfazer lobistas...
No melhor estilo "Eu tenho medo!" da Regina Duarte, ou "Casamento gay é proposta do PT", de José Serra...

Privatização da Amazônia, mais uma piada de mau gosto do PSDB

No final da eleição, passou quase desapercebida uma tática sem escrúpulos do "preparado" candidato Alckmin: dizer que Lula pretendia "privatizar a Amazônia".

Na verdade a Lei de Gestão de Florestas Públicas, que foi aprovada com apoio dos ambientalistas e até do PSDB, tem como objetivo fazer concessão (e não privatização) de uma pequena parte da região (cerca de 3%) para atividades econômicas ambientalmente sustentáveis. Com certeza um modelo muito melhor do que a verdadeira "lei da selva" que existe atualmente. Todo mundo sabe que a preservação da Amazônia passa pela viabilidade econômica da região e esse novo plano visa justamente unir isso à preservação da floresta, gerando ainda mais recursos para o governo investir para este fim.

Tratar um tema tão importante como este de uma maneira tão maquiavélica é o fim do mundo. Como se não tivéssemos uma Ministra tão comprometida com o meio-ambiente e um governo com tantos bons resultados nesta área.

Para ver um resumo do que trata a lei, clique aqui.

sábado, novembro 04, 2006

Quando vão prender esse cara?? Com certeza é uma das pessoas mais escrotas de todo o mundo...

quarta-feira, novembro 01, 2006

Green grass, blue eyes, gray sky, god bless... Silent pain and happiness... É, Londres, em três meses estarei te vendo de novo. Difícil dizer por que, mas é a cidade que eu mais amo no mundo. Espero te ver bem e aproveitar ao máximo os poucos dias que poderei estar aí. Até breve!