domingo, setembro 30, 2007

Ontem, na balada, o Alex falou que meu blog passou a ser um tanto utópico, fora da realidade, por causa dos posts de meio-ambiente. Acho que preciso fazer algumas considerações sobre isso.

Apesar de concordar com o fato de que muitos posts que tenho colocado aqui parecem utópicos, e que estou realmente largando os assuntos que parecem mais palpáveis (e que muitas vezes são tão utópicos como falar de meio-ambiente, como quando tentamos achar soluções para a “política brasileira”), eu devo dizer que:

1)Este blog tem para mim um objetivo bem claro: colocar pra fora minhas opiniões, sentimentos, recordações, e afins, sem muitas restrições e sem pretensões de qualquer espécie (mesmo porque, ter pretensões de mudar o mundo com o número de leitores que tenho seria no mínimo insano).
2)Sou uma das pessoas menos utópicas que eu conheço. Ao contrário, sou uma pessoa que aprecia muito pouco a espécie humana, e que não vê muitas saídas para os maiores problemas que construímos ao longo dos milênios. Até mesmo já postei aqui sobre o “Movimento pela extinção dos seres humanos”, o que seria justamente a antítese de uma utopia. Porém, nem em um movimento como este eu acredito. Acredito apenas que podemos fazer as coisas serem “menos piores”.
3)Meus muitos posts atuais sobre meio-ambiente se devem principalmente a dois fatores:
a.Como o blog é para falar sobre o que eu sinto e penso no momento, tenho mesmo que postar sobre meio-ambiente, pois é o tema que mais tem ocupado a minha cabeça (além de Educação).
b.Acredito que todos os que têm um mínimo de consciência sobre o que viveremos nas próximas décadas têm a obrigação de “tentar” algo para procurar mitigar o problema. Algumas pessoas poluindo menos não resolverão nada, mas farão com que o impacto do Aquecimento Global seja menor (aqui entram também os conceitos que tenho visto em Gerenciamento de Riscos, na minha pós). Reiterando: é apenas uma tentativa, que considero obrigação de cada cidadão consciente, nos dias de hoje. O pouco que consegui na minha empresa me mostra que isso é realmente o correto a fazer.

Por fim, acho que essa opinião do Alex tem a ver com a frase de Ghandi que coloquei no Orkut: “Be the change you want to see in the world”. Realmente é utópico. Mas eu gosto dessa frase porque ela mostra bem qual a nossa grande dificuldade: de iniciar em cada uma das nossas ações as mudanças que gostamos tanto de cobrar dos nossos governantes.

sábado, setembro 29, 2007

Finalista de mundial recebe R$ 250 por mês.
Tem alguma coisa errada, não? :-/
Pensam que é só no Brasil que esse tipo de bagunça acontece???
Leiam essa história, que é impressionante (e muito triste)!

quarta-feira, setembro 26, 2007

Havia um erro na planilha de emissões de veículos (quanto a veículos a gasolina, de 1.5 a 2.0). Segue abaixo corrigida:

Bate-papo trivial. Uma amiga conta que levou um susto no volante, quando uma pomba bateu com tudo no espelho lateral do seu carro.

Comento: "Coitada da pomba!". E ela responde o esperado: "O quê? Coitado do meu espelho!".

Esse é o ser humano. Tem pena de objeto (desde que, é claro, o objeto seja dele).

sexta-feira, setembro 21, 2007

Entrei no http://www.iniciativaverde.org.br/calculator/pt/calculator.php para calcular minhas emissões de CO2, este ano. Tenho que plantar 35 árvores, sendo 23 delas por causa da viagem intercontinental! É impressionante o peso das viagens internacionais neste tipo de cálculo.

Vou fazer o plantio no mês que vem (temos que pagar R$ 12 reais por árvore, para que eles façam a ação, usando espécies nativas da Mata Atlântica). Há acompanhamento de biólogos e auditores.

Fiz também um cálculo interessante. Vejam a diferença de emissão entre diferentes tipos de meios de transporte (sempre considerando 1.200 km mensais). Um dono de pick-up deveria plantar 32 árvores, ao final do ano. Já quem anda com carro a álcool pequeno (como o meu), pode plantar 1 só, que tá no lucro. Quem anda de ônibus também fica bem, pois divide o peso ambiental com os outros passageiros.



Conclusão: quem tem pick-up ou motor grande à gasolina está totalmente na contra-mão da história.

terça-feira, setembro 18, 2007

Novos e interessantes dados sobre educação no Brasil, confirmando que investimos pouco MESMO. Estamos segurando a lanterninha...

quarta-feira, setembro 12, 2007



Segue uma boa notícia sobre a empresa em que eu trabalho, e que poderia inspirar todas as outras.



FórumAccess agora é neutra em carbono!

É com muito orgulho que a FórumAccess anuncia fazer parte de um seleto grupo de empresas que que realizam investimentos pensando nas futuras gerações. A partir de agora, todas as emissões de CO2 resultantes das operações da Fórum serão compensadas com o plantio de árvores bancado pela própria empresa.

Este tipo de atividade, denominada “Neutralização de Carbono”, vem sendo adotada por diversas empresas e indivíduos ao redor do mundo. O investimento é grande, mas compensador, pois trata-se de uma das principais ações mitigatórias conta o Aquecimento Global.

Para Daniel Burd, Presidente da empresa, “poder neutralizar as emissões de CO2 da FórumAccess não é mais que nossa obrigação. É um sinal de respeito para com a natureza e principalmente um sinal de respeito para com os nossos filhos”.

A neutralização está sendo realizada em parceria com a Iniciativa Verde, empresa especializada neste tipo de ação. Serão plantadas mais de 1.100 árvores de 80 espécies diferentes, em plena Mata Atlântica, no município de Porto Feliz (próximo a Sorocaba e às margens da Castelo Branco). Tudo com acompanhamento de biólogos e outros especialistas.

Ao falar sobre o assunto, Daniel conta a sua visão sobre o problema ambiental que vivemos: “Entendo que o ser humano faça parte de um delicado equilíbrio que foi sendo esculpido através dos milênios.
Temos o calor certo que precisamos, a luz certa, a temperatura certa .
Somos parte do mundo em que vivemos. Não dá para pensar no homem, sem pensar na natureza.
Acontece que o homem, com seu poder de transformar as coisas, que é magnífico, está, sem se dar conta, colocando em risco sua própria existência.
Parece que esquecemos que nossas ações estão impactando o meio e que seremos impactados em breve”.

Saiba que não apenas empresas, mas pessoas físicas também podem fazer sua neutralização. Para fazer o cálculo, entre em http://www.iniciativaverde.org.br/calculadora. Cada árvore plantada custa R$ 12.

Para ver o local em que será feito o reflorestamento, clique nos links abaixo, ou acesso o Google Maps e faça uma busca pelas coordenadas 23 19'41"s 47 32'15"w.

Zoom Out
Zoom In

segunda-feira, setembro 10, 2007

Como terapia, traduzi mais um trecho de que gostei muito do livro que estou lendo:
"Work of Nations", Robert B. Reich (1992). Lendo este livro, a gente percebe o quanto o Brasil está longe de ser um país desenvolvido.

O trecho fala sobre educação. Sobre como a maioria das crianças (nos EUA e no mundo) são educadas para trabalhar numa linha de montagem, enquanto a minoria é educada para realmente se dar bem (serão o que ele chama de analistas simbólicos).

"Mais importante, essas crianças afortunadas aprendem como conceitualizar problemas e soluções. A educação formal de um analista simbólico incipiente, portanto, implica em refinar quatro habilidades básicas: abstração, pensamento sistêmico, experimentação e colaboração."

"Considere, primeiramente, a capacidade de abstração. O mundo real não é nada mais que uma vasta confusão de barulhos, formas, cores, cheiros e texturas – essencialmente sem sentido até que a mente humana imponha alguma ordem sobre eles. A capacidade de abstração – para descobrir padrões e significados – é, com certeza, a verdadeira essência da análise simbólica, em que a realidade deve ser simplificada de forma que possa ser entendida e manipulada de novas maneiras. O analista simbólico manipula com destreza equações, fórmulas, analogias, modelos, idéias, categorias e metáforas para criar possibilidades de reinterpretar, e então rearranjar, o caos de dados que estão rodopiando ao nosso redor. Enormes porções de informação desorganizada podem, então, ser integradas e assimiladas para revelar novas soluções, problemas e escolhas. Todo inovador cientista, advogado, engenheiro, designer, consultor de gestão, roteirista ou publicitário está continuamente procurando por novas maneiras de representar a realidade, que será mais atrativa ou reveladora que a anterior. Suas ferramentas podem variar, mas os processos abstratos usados para modelar dados brutos em padrões manipuláveis, muitas vezes originais, são basicamente os mesmos."

"Para a maioria das crianças nos EUA e ao redor do mundo, a educação formal implica justamente no tipo oposto de aprendizado. Em vez de construir significados por eles mesmos, os significados são impostos sobre elas. O que deve ser aprendido é pré-empacotado em planos de lições, palestras e livros didáticos. A realidade já foi simplificada; o estudante obediente tem apenas que alocá-la na memória. Um processo educacional eficiente, assume-se, transmite conhecimento como uma fábrica eficiente instala partes em uma linha de montagem. A despeito do que é comunicado, a lição fundamental é que outra pessoa tem a responsabilidade de interpretar e dar sentido ao redemoinho de informações, eventos e sensações que nos rodeia. Essa lição pode apenas retardar a habilidade dos estudantes de brilhar em um mundo cheio de possibilidades de descobertas."

"Os estudantes mais afortunados dos EUA, no entanto, escapam deste conteúdo mastigado. Nas avançadas trilhas das melhores escolas primárias e secundárias da nação, e nas salas de seminários e laboratórios das melhores universidades do país, o currículum é fluido e interativo. Em vez de enfatizar a transmissão da informação, o foco é no julgamento e interpretação. O estudante é ensinado a validar os dados – a se perguntar por que certos fatos foram selecionados, por que assume-se que são importantes, como eles foram deduzidos e como eles podem ser questionados. O estudante aprende a examinar a realidade sob vários ângulos, diferentes luzes, e, então, a visualizar novas possibilidades e escolhas. A mente simbólica-analítica é treinada para ser cética, curiosa e criativa."
Me perguntam por que eu resolvi aderir agora ao Orkut, depois que deixou de ser modinha. É simples: o brasileiro instituiu que é legal e educado responder scrap, mas e-mail não! Talvez por que seja muito complicado escrever mais de duas linhas e pensar em uma linha de assunto...

terça-feira, setembro 04, 2007

Semana passada, fui a um evento extremamente interessante envolvendo a comunidade do MIT no Brasil. O palestrante Carlos Nobre falou sobre Mudanças Climáticas, assunto no qual é uma das maiores autoridades do Brasil e do Mundo.

Segue um resumo das várias falas importantes do cientista. É grande, mas vale a pena ler:

"A Terra está em um estado sem analogia no passado. O Mar está subindo (50% devido ao derretimento do gelo, e 50% pela própria dispersão térmica da água quente)".

"Svante Arrhenius (físico sueco) previu as mudanças climáticas advindas do CO2 em 1896, logo depois da Revolução Industrial. Era uma boa previsão: se dobrássemos a quantidade de CO2 na atmosfera, a temperatura subiria 5 graus. Este assunto, porém, ficou apenas na comunidade científica". - Isso mostra o quão lento é o ser humano para se adaptar, quando se trata de questões ambientais.

"Desde a Revolução Industrial já queimamos 244 bilhões de toneladas de CO2, e ainda temos 3700 bilhões de toneladas prontas para queimar!! Isso mostra o tamanho do risco".

"Por simulações, os cientistas do ICPP dizem que há mais de 90% de chance de o Aquecimento Global ser causado por nós. O corolário dos encontros do IPCC, realizados no primeiro semestre é: “está mais tarde que nós imaginamos”. Não é possível evitar o Aquecimento, e sim mitigá-lo e promover adaptação. As principais mudanças ocorrerão depois de 2020, atingindo um ápice em 2090".

"Nesta década, acelerou o crescimento do nível de CO2 na atmosfera. Passou de 0,8% ao ano para 3,2% (em grande parte por causa da China, mas vem crescendo ainda em todo o mundo)" - Impressionante isso, mesmo depois de ECO-92, Kyoto, e o caramba...

"Para as temperaturas não passarem de 2 graus, temos que diminuir de 60 a 70% as emissões, reduzindo-as de 1,21 tonelada per capita para 0,35 (nível da Índia, hoje). Isso envolve principalmente a descarbonização dos meios de produção".

"A maioria dos refugiados ambientais estará na África, com grandes quebras agrícolas, o que mostra a injustiça do processo:
EUA – Foram responsáveis por 25% do CO2 emitido até hoje na atmosfera
UE - 28%
China - 8%
Brasil - 2,5% (incluindo principalmente o desmatamento da Mata Atlântica e Amazônia)
África Inteira - 2%"

"As conseqüências para os animais já são sentidas. Várias espécies de sapos já sumiram, na América Central (64 espécies)".

"Segundo o IPCC, as mudanças climáticas vão aumentar muito a desigualdade no mundo" - E por conseqüência, a violência...

Conseqüências para o Brasil:
"• Amazônia Oriental vai ser substituída gradualmente por savana
• Semi-árido virará árido (isso já está acontecendo aos poucos).
• Com 2 graus de aquecimento, 30% das espécies estarão em risco de extinção.
• Algumas culturas agrícolas irão diminuir, mas a produção de soja irá crescer no temperado.
No nordeste está o maior problema. São 20 milhões de pessoas morando no semi-árido e dependendo de uma agricultura residual, que tende a ficar ainda mais escassa".

"O que fazer: Mitigação ou Adaptação? Esta questão está mal colocada por muitos. Como o Aquecimento é inevitável, temos que Mitigar E Adaptar".

"74% das nossas emissões (Brasil) são fruto de desmatamentos na Amazônia. 23% são pelo uso de energia (indústrias, carros, residências, etc.)".

"Já reduzimos a emissão per capita de 1,5 ton. para 1 ton., só com a redução do desmatamento este ano. Se eliminarmos o desmatamento, iremos para 0,5 ton. (nível da França, o melhor país europeu neste ranking, devido à sua opção pela energia nuclear). O Brasil tem conseguido reduzir bastante o desmatamento nos últimos três anos, provavelmente devido a vários fatores, incluindo o aumento da fiscalização".

"O desafio é científico, político e filosófico: o surgimento de um novo homo sapiens e a necessidade de uma “Revolução Ética”. É um compromisso ético inter-geracional, pois nada vai mudar para nós, apenas para as futuras gerações".

"Sobre o etanol brasileiro: é ótimo, desde que não se desmate para a sua produção!
Temos também que separar o desmatamento da queima comum da cana. A queima de cana de açúcar é problema de saúde pública, não ambiental, pois a cana absorve todo o CO2 depois de plantada".

"Podemos multiplicar por 10 a produção de cana sem desmatar.
Uma comparação interessante:
12L de etanol do álcool (o etanol brasileiro) = 1L de gasolina queimada (em emissões de CO2).
1,2L de etanol do milho (o etanol americano) = 1L de gasolina (ou seja, praticamente igual).
Os americanos produzem etanol do milho muito mais por questões estratégicas e eleitorais (via subsídios para produtores do meio-oeste) do que ambientais".

Sobre energia nuclear e hidrelétrica:
"Sim, as hidrelétricas produzem grande impacto ambiental (não relacionado ao aquecimento global), mas ainda podem ser usadas em pequenas instalações. Poderíamos aumentar em 50% nossa produção de energia somente desta maneira.
Já a nuclear ainda não resolveu uma série de problemas importantes, como destino do lixo (que dura milhares de anos) e a proliferação, com riscos à segurança mundial, além de não ser uma energia renovável".

Nobre encerrou com a frase de Ghandi: "Earth Provides enough to satisfy every man's need but not every man's greed".

Muito material para pensar...

segunda-feira, setembro 03, 2007

Aqui está o efeito da nossa nefasta educação das últimas décadas.
Continuando assim, não tem Bolsa Família ou crescimento do PIB que dê jeito.