terça-feira, novembro 27, 2007

Olha aí! Foram uma delegadA e uma juízA que prenderam a menina no Pará!
Puro nonsense...

segunda-feira, novembro 26, 2007

Incrível coincidência. Em um sábado começo a ler o primeiro livro de meu amigo Barbão ("Acaricia meu Sonho"). Adorei o livro, li tudo em uma única tarde. Ele:

- Se passa em Buenos Aires
- Tem um tradutor com personagem principal
- Fala sobre memórias
- Tem uma mulher perturbada que domina o tal tradutor

Um dia depois, assisto ao novo do Babenco, "O Passado". O filme:

- Se passa em Buenos Aires
- Tem um tradutor com personagem principal
- Fala sobre memórias
- Tem uma mulher perturbada que domina o tal tradutor

Obviamente, não estou falando de plágio, já que as obras são na verdade bastante diferentes entre si e foram lançadas ao mesmo tempo. Mas que é uma grande coincidência, ainda mais em um mesmo fim de semana, isso não dá pra negar...

domingo, novembro 25, 2007

Isso (Fonte Nova) não é um estádio, isso já está quase tão em ruínas quanto o Coliseu...

Infelizmente, essas tragédias sempre acontecem por aqui, à revelia de autoridades, num País que definitivamente não é sério e que quer sediar Olimpíadas, Copas e que tais.

Só quero ver até 2014...

quinta-feira, novembro 22, 2007

Dunga pode ser um técnico inexperiente, mas falou tudo aqui.

terça-feira, novembro 20, 2007

Depois do caso Richarlyson, agora uma outra decisão do tipo. Veja em que nível está a Justiça brasileira. Chega a ser uma piada maior que o próprio Congresso Nacional...

segunda-feira, novembro 19, 2007

Meu amigo Alex me enviou este interessante artigo da BusinessWeek sobre sustentabilidade em ambientes empresariais: “Empresa Verde é quase sempre um mito”. Ele me pediu que lesse com atenção, escrevesse aqui o que achei e se ele me fez rever meus conceitos sobre o tema.

Ok, depois de lido o artigo, vamos ao que ele me pede.

Antes de mais nada, notemos que o título fala de algo que não é preciso: “Empresa Verde”. Podemos dizer que uma "Empresa Verde" é aquela que neutraliza suas emissões de CO2, mas mesmo isso está sujeito a diversos tipos de medições. Além disso, com o atual estágio do problema, é possível defender que uma “Empresa Verde” é aquela que faz tudo o que está ao seu alcance para diminuir seu impacto ambiental. Esta definição, do meu ponto de vista, também estaria correta, e é ainda mais subjetiva (isto está ligado ao que falarei sobre “Mitigação”, mais abaixo). Como se vê, fica difícil, portanto, dizer que “Empresa Verde” é quase sempre um mito, se não sabemos ao que estamos nos referindo.

Avançando, vemos que o mote principal do artigo é: “está caindo a ilusão de que é possível conciliar investimento em sustentabilidade e lucratividade”. Quanto a isso, não preciso me preocupar, pois nunca acreditei que seria possível fazer grandes investimentos em sustentabilidade obtendo aumento nos lucros. Pelo menos agora, isso não é possível.

Eu acredito, e sempre acreditei, em algo diferente: que a humanidade terá que pagar um alto preço econômico e social, se quiser salvar o planeta. Teríamos que frear custos, consumo e aumentar investimentos e regulação, tudo isso de forma agressiva, o que não viria sem turbulências. O grande dilema que temos hoje é se a humanidade está disposta a isso. Enquanto esse ataque mais profundo ao problema não acontece, vivemos hoje de paliativos.

É desses paliativos que fala a matéria, apontando para o fato de que, geralmente, eles não trazem lucros. Minha experiência pessoal, na empresa em que trabalho, mostra que muitas vezes não trazem mesmo. E mais: geralmente as ações que trazem impacto ambiental mais positivo são as que mais demandam investimento.

Portanto, o artigo, neste ponto, não me trouxe um dado novo. Talvez àqueles que se iludiram achando que o mercado, mais uma vez, salvaria tudo, apenas com medidas criativas. No fundo, esta é a teoria das pessoas que têm receio de encarar o problema de frente.

Outro ponto destacado é a ação dos “adoráveis” marqueteiros de empresas que pretendem surfar a onda da sustentabilidade. Mais uma vez aqui já estou meio escaldado, afinal estamos falando de seres humanos. Sempre haverá espertos para se aproveitar de uma situação, mesmo que essa situação seja o risco de fim da vida na Terra.

Uma experiência pessoal recente com uma campanha dos Postos Ipiranga (“Cartão Carbono Neutro”) mostra que a preocupação com Marketing (que, claro, sempre estará presente nas ações de sustentabilidade) pode, muitas vezes, suplantar o interesse genuíno em ajudar. E o resultado mostra-se desastroso para todos os que estão tentando fazer algo.

Por fim, o artigo deixa a desejar em um ponto muito importante: não destaca como deveria o impacto de ações realizadas, independentemente do lucro que elas obtêm para a empresa ou sua estratégia de Marketing correlacionada. É de se imaginar que tenha sido esse o tom escolhido, pois trata-se de uma revista de negócios, mas não é correto que o seja, na minha opinião. Estamos diante de uma situação séria, talvez um dos maiores desafios da história da humanidade. Todos têm papel importante nisso, incluindo os jornalistas. Seria importante que o autor destacasse, em meio ao seu artigo, que muitas empresas estão realizando investimentos nesta área independentemente de retorno financeiro, e com um resultado que, se não resolve o problema, ajuda a mitigá-lo. Mitigação, aliás, é a palavra de ordem do movimento ambiental hoje, buscando a diminuição do impacto do Aquecimento Global às gerações futuras enquanto governos e sociedade não conseguem encontrar uma resposta mais contundente.

Isso tudo posto, acho que o artigo é interessante por mostrar uma visão sobre o tema, mas está incorreto do ponto de vista do desafio que estamos enfrentando atualmente. E, como explicado aqui, não me faz rever conceitos; apenas acrescenta alguns casos novos à minha coleção de pessoas que se iludiram, achando que um problema sério como este poderia ser resolvido meramente através das leis do mercado.

terça-feira, novembro 13, 2007

Fotos do incrível evento de reflorestamento de que participamos no fim de semana passado.

De complicado, só a entrevista em inglês que eu dei pra Tati, gaguejando que nem um idiota... :-).

Acordamos cedo no sábado, metemos o pé na lama, pegamos chuva, mas valeu a pena!!

segunda-feira, novembro 05, 2007

Fiquei meio chocado lendo esse artigo. Vai contra tudo o que a gente aprendeu sobre raças.

Mesmo que seja verdade o que estes cientistas defendem, não haveria problema, se o homem soubesse lidar com esse tipo de situação. No entanto, sabemos muito bem que ele não sabe...

sábado, novembro 03, 2007

Quando se pensava que o Google ficaria pra trás no mercado de redes sociais, eles vêm com essa: OpenSocial, plataforma aberta e interoperável para criação de aplicativos em quase TODAS as redes!

Na boa, tá difícil brincar com eles desse jeito. Essa o Facebook vai ter que engolir...

quinta-feira, novembro 01, 2007

O São Paulo cutucou a onça (Flamengo) com vara curta.

Essa atitude foi muito desleal e feia, um revisionismo histórico que não faz o menor sentido, já que os 13 grandes sempre foram unânimes em declarar o Flamengo pentacampeão.

Seria bom refazerem a camisa o quanto antes, pra não manchar a conquista...